IncÍndio em Šrea ambiental de Rio das Ostras pode ter procedÍncia criminosa

Publicado em 07/11/2014 Editoria: Geral

Por dois dias consecu­tivos esta semana, equipes do Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e Guarda Mu­nicipal de Rio das Ostras trabalharam no combate a um incêndio na Área de Proteção Ambiental (APA) da Lagoa do Iriry. Segundo o comandante do destacamento do Cor­po de Bombeiros, capitão Rafael Brazão, há a hipó­tese de que a ação tenha sido criminosa, pois fo­ram identificados alguns acampamentos irregu­lares no local. Nos dias quatro e cinco, o fogo chegou a consumir cerca de 20 mil metros quadra­dos da área. No entanto, trabalhos de monitora­mento continuarão a se­rem realizados nas áreas de proteção ambiental do município.

De acordo com co­mandante Brazão, foram detectados muitos focos de incêndio pela APA da Lagoa do Iriry. Cerca de 20 homens participaram da ação de combate ao fogo. O coordenador de proteção ambiental, Gil­berdan Gomes, que tam­bém esteve presente no local, disse que problemas como o clima seco e fortes ventos fazem reascender os focos de incêndio. “São focos isolados em vários pontos e o vento forte au­menta, dificultando o com­bate. Mas, com o apoio de todas as equipes, consegui­mos controlar o incêndio”, ressaltou.

Ainda segundo o se­cretário do Ambiente, Sus­tentabilidade, Agricultura e Pesca de Rio das Ostras, Nivaldo Talon, como fo­ram identificados alguns acampamentos na área, a secretaria também vai elaborar um plano de ação para retirada de materiais inservíveis que foram en­contrados no local, para que não ocorra mais com­bustão. “Vamos retificar junto a Guarda Municipal e Defesa Civil, o monitora­mento através de fiscaliza­ção e proteção nessas áre­as, para evitar que sejamos pegos de surpresa com ou­tros incêndios como esse”, afirmou.

O coordenador de pro­teção ambiental, Gilber­dan Gomes, lembrou ainda que além dos acampamen­tos, em outras áreas de Rio das Ostras, como Praia da Joana, Mar do Norte e terrenos baldios, onde há muita vegetação, aconte­cem muitos atos de pesso­as que cultuam oferendas. Como, geralmente, são usadas muitas velas nestes rituais, com o vento forte também podem ocasionar incêndios nos locais. “Nes­ta época de clima seco, as pessoas que moram pró­ximo a terrenos baldios, por exemplo, devem evitar queimar folhas, jogar lixo e manter o local sempre lim­po, para que não ocorram situações com focos de in­cêndio”, acrescentou.

› FONTE: RJ News