Programa de Bem Estar Animal é referência em todo o país

Publicado em 19/09/2014 Editoria: Geral
Após recolhidos, animais recebem cuidados e são encaminhados para as feiras de adoção

Após recolhidos, animais recebem cuidados e são encaminhados para as feiras de adoção

Muitas pessoas podem não saber, mas Rio das Ostras é considerado um dos poucos municípios brasileiros que possui uma Lei municipal e programa de proteção ao Direito e Bem-Estar Animal. Desde que começou a fun­cionar, o programa ajudou a vários animais. Proposta pela veterinária Valéria Ve­neza e a ex-procuradora ge­ral do município, Elisabeth Veronese, a causa do Pro­grama de Bem-Estar Animal (PSA) foi abraçada pelo pre­feito Alcebíades Sabino, no seu primeiro mandato em 2003.

Desenvolvida pela se­cretaria do Ambiente, Sus­tentabilidade, Agricultura e Pesca, a SEMAP como é mais conhecida, conta atu­almente com local próprio, equipe de profissionais qualificados, farmácia de medicamentos e toda estru­tura básica para o funciona­mento.

O PSA tem como princi­pal objetivo, o recolhimen­to de cães, gatos e também animais de grande porte abandonados das ruas, res­gatando-os e habilitando-os com assistência médica e os maiores cuidados possíveis, para que possam ir para as feiras de adoção e, enfim consigam encontrar um novo lar. Além disso, presta serviços de ambulatório e de castração para animais de famílias que comprovam residência fixa em Rio das Ostras e renda mensal equi­valente ou inferior a 2 salá­rios mínimos.

Segundo a coordena­dora do programa, Valé­ria Veneza, o abandono de animais por seus donos in­felizmente é uma realidade muito comum em todo o país, fator que vai total­mente contra os direitos dos animais, que é consi­derado crime, uma vez que os proprietários, após le­varem para casa, passam a assumir automaticamente a responsabilidade de seus cuidados, além de prezar pelo seu bem estar.

“É importante frisar que o PSA, ao contrário do que muitos pensam, não é um abrigo onde às pesso­as podem deixar tempora­riamente ou se desfazer de seus animais. Nossa função é resgatar os animais que se encontram em perigo nas ruas e estradas, ou são ví­timas da violência, o que é lamentavelmente bastante comum. Estamos também realizando trabalhos de conscientização, com pales­tras nas escolas e durante as feiras de adoção, para refor­çar a ideia de que a adoção de um animal corresponde a mesma responsabilidade da adoção de uma crian­ça, pois estamos lhe dando com seres vivos que sentem fome, frio, humor e tem sentimentos”, explicou.

Ela acrescentou ainda que é preciso tratar cada um deles com a maior de­dicação possível. “As feiras de adoção acontecem duas vezes por mês no Parque Municipal, em Mar do Nor­te, e no Parque dos Pássa­ros em Mariléa, sendo que todos os cães e gatos dis­poníveis são castrados e vacinados”, disse.

O PSA realizará a pró­xima feira nos dias 27 e 28 desse mês. “Nós também realizamos adoções em sua própria sede, no final da estrada municipal, no bairro Âncora. Para levar um animal para casa, o interessado deve levar o documento de identidade, CPF, comprovante de resi­dência e assinar um termo de responsabilidade. No momento, estamos reto­mando esse trabalho que é de enorme importância para o município”, avalia.

Apesar de o projeto original de infraestrutura ainda não ter sido con­templado, ela ressalta que o município conta com um espaço que mantém atualmente cerca de 160 animais, e uma equipe de 22 profissionais, sendo 8 veterinários, que traba­lham de segunda a domin­go e uma ambulância para o resgate dos animais. Denúncias e pedidos de resgate podem ser feitos através do telefone (22) 2771-2351.

› FONTE: RJ News