Ação no Arquipélago de Sant’Anna revela atos de depredação

Publicado em 06/01/2014 Editoria: Meio Ambiente
Divulgação

Divulgação

» Equipe da Secretaria de Ambiente de Macaé encontrou áreas com registros de fogueiras, acúmulo de lixo e vegetação queimada
 
Técnicos da Secretaria do Ambiente de Macaé fizeram uma visita ao Arquipélago de Sant’Anna para avaliar a situação ambiental das ilhas que formam um Parque Natural Ambiental. Na última semana, foram analisadas a Enseada da Ilha do Francês e a Ilha das Galetas. A ação predatória foi o que mais chamou a atenção dos visitantes do patrimônio. Foram encontrados nas áreas registros de fogueiras, vegetação queimada, instalação de trilhas irregulares, acúmulo de lixo, destruição de ninhos de aves e pichação de rochas.
 
Durante a visita, a equipe da secretaria realizou a limpeza dos resíduos na Ilhota das Galetas, com remoção de toda uma estrutura de camping selvagem deixada na ilha, mesas, pedaços de cadeiras, panelas e muitos resíduos como latas e garrafas plásticas, além de verificarem que foi removida grande parte da vegetação de arbustos. Também foi feita a cobertura das pichações, se concentrando no costão sul da enseada principal da Ilha do Francês e experimento de uso de pigmento no costão norte da mesma ilha, além de limpeza do local, sendo recolhidas âncoras, um mastro de bandeira de mergulho e garrafas.
 
Segundo a Secretaria de Ambiente, mesmo com as ações de educação ambiental, ainda são comuns denúncias de pesca predatória para captura de iscas vivas, pesca com compressor e extração insustentável do mexilhão, informações que são repassadas imediatamente à Capitania dos Portos para atuação, uma vez que a área pertence à Marinha.
 
Para melhorar a situação está sendo feito um planejamento para intensificar as ações de educação ambiental, pesquisas de monitoramento da vegetação e de aves marinhas, que são feitas em parceria com o Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento Sócio-Ambiental de Macaé (Nupem/UFRJ) como também a recuperação de áreas degradadas, levantamento de espécies e coleta de lixos marinho e terrestre.
 
O governo de Macaé pede ainda a colaboração da população para que os frequentadores não façam fogueiras ou churrasco nas ilhas, mantenham distância segura dos ninhos e filhotes das aves marinhas, levem o lixo produzido de volta nas embarcações, e não levem animais e plantas estranhas ao ambiente da ilha, como cães e gatos.
 
Interessados em saber mais informações sobre o arquipélago podem entrar em contato pelo telefone: (22) 2762-4802 ou na Coordenadoria de Biodiversidade, Gestão das Águas e Território da secretaria, que funciona na Avenida Amphilophio Trindade, 237, na Morada das Garças, que está aberta para atendimento à população.

› FONTE: Macaé News (www.macaenews.com.br)