Vereadores de Macaé debatem situação do transporte escolar

Publicado em 15/07/2020 Editoria: Geral
Com a pandemia, serviço foi paralisado e motoristas ficaram sem pagamento

Com a pandemia, serviço foi paralisado e motoristas ficaram sem pagamento

Desde a suspensão das aulas por conta da pandemia, cerca de 350 motoristas de vans deixaram de realizar o transporte de estudantes e, consequentemente, tiveram a renda comprometida. Diante da retomada gradativa das atividades, Guto Garcia (PDT) apresentou um requerimento, na sessão virtual da Câmara dos Vereadores desta quarta-feira (15). Ele solicita ao governo estudos sobre a possibilidade de utilizar os profissionais no transporte público. O pedido foi aprovado com 10 votos favoráveis, tendo ainda 1 contrário e 1 abstenção.

“Esta pode ser uma medida para amenizar o fluxo dos passageiros, uma vez que a SIT está operando com a frota reduzida. Se for viável para o governo, as vans circulariam dentro dos bairros enquanto durar os protocolos de segurança”, defendeu Guto.

Marcel Silvano (PT) declarou os motivos por votar contra. “Elaborei um pedido similar ainda em abril, mas muitos motoristas entendem que a alternativa é ruim. Por isso, o meu requerimento não foi formalizado. É preciso ampliar o diálogo e as possibilidades. Até lá, não posso ser a favor de algo que não teve consenso da categoria.”

O voto de abstenção foi de Luiz Fernando (Cidadania). “Me preocupo com esse tipo de precedente. O requerimento é interessante, mas não podemos voltar ao que era no passado, com muitas vans tumultuando o trânsito.”

Entre os vereadores que votaram a favor, Paulo Antunes (PSDB) e Alan Mansur (Cidadania) disseram que o Executivo deve analisar o caso. Já Maxwell Vaz (Solidariedade) apresentou outra alternativa. “Eles poderiam estar à disposição das escolas, distribuindo material didático e transportando os professores que precisarem ir até uma das escolas.”

Educação

Na sequência, entrou na pauta um requerimento de Val Barbeiro (PSDB). Ele solicita à Secretaria de Educação que os alunos portadores de doenças crônicas sejam os últimos a retornar às aulas presenciais. “Outro ponto é que, se não houver segurança, o ano letivo deve ser cancelado”, frisou o autor.

Para Paulo Antunes, é inviável o retorno das aulas neste ano. “Vou apresentar um pedido oficial porque não é seguro, tanto para os estudantes, quanto para os profissionais.”

Marcel votou por abstenção por achar “confusa” a forma como Val apresentou o requerimento. Os demais parlamentares deram voto favorável.

O petista ainda lembrou que a Câmara promoverá um debate para discutir os protocolos e as possibilidades de retorno das aulas. A audiência pública acontece na próxima segunda-feira (20), a partir das 18h, com transmissão ao vivo no Youtube.

Volta dos estacionamentos

Cesinha (Pros) defende que os estacionamentos privados sejam reabertos na cidade. Como justificativa, ele alega que a retomada gradativa do comércio está aumentando a circulação das pessoas, o que gera maior movimento de veículos. “Muitos já encontram dificuldades para achar uma vaga.”  

O requerimento que será encaminhado à prefeitura foi aprovado por unanimidade.

› FONTE: ASCOM CMM