Termelétrica: Câmara defende prioridade para mão de obra local

Publicado em 16/05/2019 Editoria: Geral
Márcio Bittencourt (MDB) pede que prefeitura busque meios para priorizar trabalhadores que residem em Macaé

Márcio Bittencourt (MDB) pede que prefeitura busque meios para priorizar trabalhadores que residem em Macaé

Com a implantação de uma nova termelétrica, há grandes expectativas para a abertura de postos de trabalho. Nesse sentido, a Câmara Municipal de Macaé aprovou, por unanimidade, um requerimento de Márcio Bittencourt (MDB) para que a prefeitura estude meios de assegurar que 90% das vagas sejam ocupadas por moradores da cidade. Todos os vereadores presentes na sessão desta quarta-feira (15) votaram a favor da iniciativa.

“Quando uma pessoa que estava desempregada retorna ao mercado, volta a colaborar com a economia e com a circulação de renda. Hoje, há milhares de macaenses em busca de uma oportunidade e precisamos pensar neles”, defendeu Márcio.

Para Marvel Maillet (Rede), o governo municipal falha no apoio à capacitação profissional. “É preciso oferecer cursos técnicos, pois a maior parte das vagas exige uma qualificação adequada. Como parlamentar, apresentei uma emenda que destina orçamento para a área, mas ainda não vimos algo de concreto”, lamentou.

De acordo com Cristiano Gelinho (PTC), a Secretaria de Trabalho tem estudado meios para viabilizar o pedido de Márcio. Já o presidente, Eduardo Cardoso (PPS), disse que a termelétrica é uma realidade para a economia local, mesmo com a concentração de ações voltadas para a possível construção de um porto marítimo na praia do Barreto. “Há anos só ouvimos falar dessa promessa. Acredito que não sairá do papel”, finalizou.

Isenção da cobrança de estacionamento

Também foi aprovado um requerimento de Márcio solicitando à prefeitura informações sobre a possibilidade de isenção da cobrança do estacionamento rotativo no centro da cidade aos sábados. Maxwell Vaz (SD) questionou que o sistema tem o objetivo de evitar que pessoas deixem o carro o dia inteiro numa vaga impedindo que consumidores estacionem seus veículos para fazer compras.

Bittencourt argumentou que os comerciantes entendem, ao contrário, que a gratuidade estimularia o consumo: “A própria Acim (Associação Comercial e Industrial de Macaé) pediu que eu apresentasse essa proposta”. 

› FONTE: ASCOM CMM