Macaé News
Cotação
RSS

Rio das Ostras busca se tornar polo de captação de órgãos

Publicado em 30/10/2014 Editoria: Saúde sem comentários Comente! Imprimir


Cerca de 20 profissionais participaram do curso básico de captação de órgãos.

Cerca de 20 profissionais participaram do curso básico de captação de órgãos.

Em fevereiro deste ano, o Hospital Municipal de Rio das Ostras realizou a primeira captação de órgãos para doação, a partir do ato de solidariedade da esposa de um paciente que teve morte encefálica. Essa pode ter sido a primeira de outras oportunidades de salvar vidas. A pedido da Secretaria Municipal de Saúde, técnicos do Programa Estadual de Transplantes do Rio de Janeiro (PET) estiveram na última semana na cidade, capacitando servidores da rede municipal sobre as etapas da doação e captação de órgãos até o transplante.

O encontro aconteceu no Hospital Municipal, reunindo cerca de 20 profissionais. Ministrado pela assistente social do Programa Estadual, Priscila Paura, e pelo médico Sandro Montezano, o Curso Básico de “Processo Doação-Transplante” tratou das especificidades de todo o processo, desde a doação até transplante. Os especialistas também falaram sobre aspectos técnicos da morte encefálica e da avaliação do potencial doador de órgão e tecido para o transplante. Eles ainda informaram sobre o acolhimento, que inclui a entrevista familiar.

Para que o Município seja incluído na rede de captação é preciso contar com uma unidade de saúde com um leito de ventilação mecânica (que permita manter o organismo funcionando por aparelhos) e pessoas qualificadas para identificar e fazer o contato junto ao Programa de Transplante.

“No início deste ano, o trabalho da nossa equipe possibilitou a doação de órgãos de um paciente que veio a óbito na UTI do Hospital. A qualificação dos profissionais de saúde inclui o Município na rede de captação, ampliando o número de novos doadores no Estado e no País. Isso significa mais esperança para aqueles pacientes que aguardam na fila do transplante”, disse a secretária de Saúde, Ana Cristina Guerrieri.

CURSO – Participaram da qualificação, médicos, enfermeiros, assistentes sociais e psicólogos, que atuam no Hospital, UTI e atendimento de emergência, além de profissionais do laboratório e administrativo da Rede Municipal de Rio das Ostras.

Os profissionais de saúde entenderam melhor como acontece a doação de órgão no Brasil e no Estado do Rio de Janeiro, inteirando-se de alguns aspectos legais, éticos e técnicos do diagnóstico de morte encefálica.

De acordo com o médico Sandro Montezano, de 100 internações realizadas na rede de saúde, cerca de 10% a 14% evoluem para morte cerebral. Esses pacientes poderiam vir a salvar outras vidas, se mais hospitais contassem com equipes capacitadas para promover, a tempo, a comunicação entre o Programa de Transplantes e os familiares.

O médico ressalta que já houve um avanço na captação de órgãos no Estado do Rio de Janeiro, fruto do trabalho que vem sendo realizado nos hospitais e que também tem resultado na sensibilização de mais familiares. “É necessária muita habilidade no primeiro contato com a família do possível doador que vive um momento de dor”, completa Montezano.

O Estado do Rio de Janeiro atingiu a segunda posição nacional em captação de órgãos, de acordo com dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. O Programa Estadual de Transplantes registrou 124 doações e 305 transplantes realizados este ano. No ano passado, foram 225 doadores. Mais informações podem ser obtidas pelo site www.transplante.rj.gov.br ou pelo Disque-Transplante: 155, telefone pelo qual o Programa também recebe informações sobre possíveis doadores.
 
.

› FONTE: ASCOM


sem comentários

Deixe o seu comentário