Macaé News
Cotação
RSS

CFM: Campos é a cidade que mais investe em saúde no estado

Publicado em 20/07/2014 Editoria: Saúde sem comentários Comente! Imprimir


Pesquisa do Conselho Federal de Medicina (CFM) aponta Campos como a cidade com o melhor resultado no ranking dos municípios que mais investem em saúde no estado do Rio de Janeiro.  O gasto per capita de Campos na saúde é de R$ 3,70, ao dia, seguido por Volta Redonda (R$ 2,41/dia) e Petrópolis (R$ 2,22/dia). Com os piores resultados, constam São João de Meriti (R$ 0,66/dia), São Gonçalo (R$ 0,80) e Belford Roxo (R$ 0,89). A capital aparece em 5º lugar, com gasto diário de R$ 1,58.

Entre os 10 municípios mais populosos do estado, a média do gasto em saúde por pessoa foi de R$ 589,55 ao ano ou R$ 1,64 ao dia, incluindo os recursos da prefeitura e os transferidos pelos governos federal e estadual.  O Rio de Janeiro aplicou no Sistema Único de Saúde (SUS), por pessoa, com os recursos próprios do governo do estado e os transferidos pela União em 2013, apenas R$ 0,80. O estado ficou em 19º lugar no ranking dos estados brasileiros.

O vice-prefeito e secretário de Saúde, Doutor Chicão, disse que a pesquisa mostra, mais uma vez, que a Prefeitura de Campos prioriza a saúde, nos últimos cinco anos. “Todos estão vendo que levamos a saúde da nossa população a sério. Em Campos, os recursos dos royalties são muito bem aplicados”, afirmou.

Ele acrescenta que a Prefeitura faz um governo transparente, cujos resultados já estão sendo percebidos pela população e pelos  institutos de pesquisa, pelo Conselho Federal de Medicina e pelo próprio governo federal, que vem tomando Campos como modelo na área da saúde.

Pesquisa - Ao todo, cada fluminense custa, em média, R$ 288,19 ao ano para os cofres públicos. O valor representa apenas 13,4% do que os beneficiários de plano de saúde gastam por ano para ter acesso à assistência suplementar. A comparação mostra que, em geral, os valores são insuficientes para melhorar indicadores de saúde em nível local.

A análise do CFM considerou as despesas apresentadas pelos gestores à Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Fazenda, por meio de Relatórios Resumidos de Execução Orçamentária (RREO). O montante agrega todas as despesas na chamada “função saúde”, destinada à cobertura das ações de aperfeiçoamento do SUS. Boa parte desse dinheiro é usada para o pagamento de funcionários, dentre outras despesas de custeio da máquina pública.
 

› FONTE: Macaé News (www.macaenews.com.br)


sem comentários

Deixe o seu comentário