Macaé News
Cotação
RSS

Rio das Ostras reduz de quase 6 mil para 170 notificações de dengue este ano

Publicado em 14/07/2014 Editoria: Saúde sem comentários Comente! Imprimir


Maurício Rocha

Maurício Rocha

Trabalho iniciado pela Secretaria de Saúde em 2013 garantiu os bons resultados neste ano

Este ano a dengue não assustou os moradores de Rio das Ostras. A cidade fecha o período mais crítico de incidência da doença com índices muito baixos de notificações. O trabalho da atual gestão, que teve início em 2013, contribuiu para reduzir de 5.971 registros de suspeitas da doença, no primeiro semestre do ano passado, para 170, em 2014.

Para alcançar o objetivo de redução de casos, a Prefeitura investiu na prevenção, atuando de forma antecipada ao período mais propício, durante o Verão e alta temporada turística. A Secretaria de Saúde elaborou um plano de contingência, submetido ao Conselho Municipal, para controlar o que poderia ser uma nova epidemia, de acordo com as previsões do Governo do Estado.

“Estamos investindo na saúde preventiva, de forma planejada, e unindo forças entre poder público e comunidade. Essa é a melhor forma de conseguirmos os avanços que precisamos na saúde pública”, disse a secretária de Saúde, Ana Cristina Guerrieri.

Os números registrados neste semestre superam, em muito, as metas do Plano de Contingência da Prefeitura. Segundo Jorgito Pinheiro, Coordenador do Programa de Controle da Dengue em Rio das Ostras, a meta era reduzir em 50% o número de casos em relação a 2013. Outro objetivo alcançado foi a redução significativa dos possíveis criadouros dos mosquitos.

A Subsecretaria de Vigilância em Saúde renovou as estratégias de atuação e o trabalho de campo, passando a concentrar esforços nas áreas com maior incidência. Segundo avaliação técnica, o trabalho permanente da Prefeitura, a colaboração dos moradores e a redução das chuvas no início deste ano acabaram por se transformar numa fórmula positiva e levaram à drástica redução dos casos suspeitos.

ÁREAS DE RISCOS - Para orientar o trabalho preventivo, a Secretaria de Saúde mapeou as áreas com maior risco de avanço da dengue e prevalência do mosquito. O mapa de risco da doença identificou 35 localidades mais suscetíveis à incidência da doença e a proliferação do mosquito transmissor.

Com mais de 100 servidores atuando diretamente na prevenção da dengue, o trabalho de campo se divide em 98 zonas, que cobrem 100% dos imóveis da cidade. Os guardas sanitários inspecionam as residências, orientam os moradores como evitar a proliferação de mosquito transmissor da dengue, eliminam depósitos que possam se tornar possíveis criadouros do Aedes aegypti e , quando necessário, realizam tratamento com larvicida em alguns depósitos propícios para a propagação do mosquito.

Outro aspecto importante do trabalho de saúde se desenvolve a partir da notificação da doença. Uma vez identificado um caso suspeito, essa informação é registrada pela Vigilância Epidemiológica para investigação e a pessoa encaminhada para tratamento na unidade de saúde. Entram em cena as estratégias de bloqueio: para romper o ciclo de transmissão do vírus, uma equipe da Vigilância vai à residência vistoriar possíveis criadouros do mosquito e a ação dos agentes é intensificada no local.

A Prefeitura também buscou envolver a maioria das associações de moradores da cidade, além de lideranças de classe, sociais e religiosas no combate à doença. O Plano da Secretaria de Saúde incluiu a qualificação de servidores que atuam direta ou indiretamente no controle da doença e no atendimento aos pacientes.

O coordenador Jorgito Pinheiro destaca o papel de cada morador no combate ao mosquito, uma vez que, no município, 90% dos focos são encontrados dentro das residências.

“As medidas de combate à dengue exigem a participação e a mobilização de toda a comunidade. Com a adoção de medidas simples, como evitar o acúmulo de água limpa nas casas, é possível contribuir para a interrupção do ciclo de transmissão e contaminação. Assim, se cada um cuidar de sua residência podemos, juntos, reduzir a doença na cidade”, completou Jorgito.

EDUCAÇÃO - Um diferencial da ação da Vigilância em Saúde de Rio das Ostras são as ações educativas permanentes. O grupo realiza palestras nas escolas, associações de moradores, empresas e escolas. De acordo com o público e faixa etária, a equipe desenvolve atividades lúdicas para falar da importância da prevenção da dengue. As crianças pequenas se divertem e aprendem sobre a doença e o mosquito transmissor a partir de esquetes de teatro, jogos e brincadeiras desenvolvidas pela própria equipe da Subsecretaria de Vigilância em Saúde.

A equipe da Vigilância está presente nos eventos promovidos pela Prefeitura, distribuindo folhetos informativos e orientando visitantes e moradores.

› FONTE: Macaé News (www.macaenews.com.br)


sem comentários

Deixe o seu comentário