Macaé News
Cotação
RSS

Eleitores de Macaé duvidam do resultado das eleições

Publicado em 21/11/2020 Editoria: Eleições 2020 sem comentários Comente! Imprimir


Ministro Barroso explica o que teria atrasado o resultado final da votação

Ministro Barroso explica o que teria atrasado o resultado final da votação

Insatisfeitos com o resultado das eleições, eleitores de Macaé se apoiam em no atraso da apuração e em notícias sobre problemas nas urnas na cidade, para duvidarem do processo eleitoral. Eles reivindicam um posicionamento mais específico do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e até novas eleições. O órgão divulgou que todas as notícias em relação aos problemas nas urnas são falsas e candidatos da oposição e partidos reconheceram a vitória de Welberth Rezende (Cidadania).

O atraso na apuração e algumas notícias sobre desaparecimento e problemas em algumas urnas de Macaé foram suficientes para eleitores se reunirem e colocar em xeque o processo eleitoral na cidade. No entanto, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e especialistas garantem que é impossível o resultado ter sido violado.

Eleitores abriram uma petição online com o intuito de recolher assinaturas em prol não só de novas eleições como também de esclarecimentos sobre os votos computados e supostamente não computados.

No abaixo-assinado virtual, o grupo questiona o atraso na contagem de votos, além do desaparecimento de algumas urnas. Informação esta, que também já foi esclarecida pelo Tribunal Regional Eleitoral - TRE-RJ.

De acordo com o órgão, não houve qualquer problema na urna da 197ª seção eleitoral da 254ª Zona Eleitoral (ZE) de Macaé, instalada na escola Almir Franciso Lapa, local de votação localizado no Parque Aeroporto. Uma informação falsa teria sido publicada no site Divulga Maca, dizendo que teria sido registrado uma fraude na tentativa de voto no candidato a vereador Felipe Wenderroschy (PRTB). Ao digitar o número dele, 28321, a urna teria finalizado a votação sem permitir o voto no prefeito, além de não apresentar os dados do candidato do PRTB.

A Polícia Federal de Macaé confirmou ao TRE-RJ a existência do boletim de ocorrência com a denúncia, que será encaminhada ao Juízo da 254ª ZE. Os mesários da 197ª seção eleitoral, entretanto, repudiaram o relato. A mesária que presidiu a seção eleitoral afirmou que, às 11 horas, momento em que teria acontecido a fraude denunciada, a votação estava tranquila. "Apenas um rapaz me perguntou se poderia filmar o seu voto, o que neguei de imediato", explicou a mesária, que pediu para não ter o nome divulgado, por temer "ataques de ódio" nas redes sociais.

Também a colaboradora designada para administrar o local de votação, Andressa R.S.S. (nome parcialmente ocultado também a pedido), nega qualquer tipo de problema na 197ª seção eleitoral. "Houve apenas uma queixa na 206ª seção eleitoral, que orientei que fosse colocada em ata", recorda Andressa. "O eleitor confirmou os votos e finalizou a votação, como registrou o terminal do mesário, que já pedia novo número de título para habilitar a urna. Mas ele veio reclamar, em seguida, que o número e a foto do candidato não apareceram", relatou. "Fizemos as explicações devidas e ele se disse satisfeito. Tudo foi registrado na ata", afirmou a administradora do local de votação.

A ata da seção eleitoral é um documento público e está disponível para consulta no cartório eleitoral. O problema porém não foi completamente encerrado. Em seguida, um homem se apresentou como fiscal de partido e cobrou mais esclarecimentos do presidente da 206ª seção eleitoral. Como o suposto fiscal sequer estava identificado, ele foi orientado a regularizar a situação, para poder atuar como fiscal de partido no local de votação. "Exigimos que ele se retirasse da escola e providenciasse o crachá de identificação", relembrou a colaboradora Andressa. "De qualquer forma, com o eleitor diretamente envolvido, tudo ocorreu de forma absolutamente cordial e transparente", concluiu.

De acordo com o secretário de Tecnologia da Informação do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro, André Sant&39;Anna, esse tipo de problema pode acontecer, dependendo do modelo da urna eletrônica e do tamanho e qualidade do arquivo da foto. "A demora em mostrar a foto de candidato ocorre em urnas com processadores mais lentos, como é usual em qualquer computador na mesma situação", explicou.

TRE-RJ desmente desaparecimento de urna na serra

Uma outra notícia que circulou na cidade após do resultado foi que urnas utilizadas na região serrana de Macaé haviam desaparecido e os votos não teriam sido computados. A juíza da 109ª ZE de Macaé, Gisele Gonçalves Dias, negou que tenha ocorrido qualquer problema na totalização das urnas utilizadas na região serrana da cidade. "Todos os votos foram computados normalmente e os boletins das urnas estão disponíveis para consulta no cartório eleitoral", explicou a magistrada.

Boatos sobre fraudes na Região Serrana de Macaé não surpreendem o chefe do cartório eleitoral, William Marchiote. "Realizo eleições aqui há 11 anos e sempre é a mesma coisa", disse. "Lamento que apenas os representantes de dois partidos tenham comparecido à transmissão dos dados. Garantimos a todos a transparência do processo", enfatizou.

O TRE-RJ informou que a região da serra apresentou apenas um pequeno incidente: “Houve um atraso de uma hora no transporte das urnas até o prédio em que estava instalada a Junta Eleitoral, no Centro da cidade. A 100 metros do local, fica a sede do cartório eleitoral, onde estava o computador utilizado na transmissão dos dados das urnas para o Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília. O boato parece ter ganhado força nas redes sociais porque o candidato que saiu vencedor nas urnas eletrônicas, Welberth Porto de Rezende (Cidadania), aparecia em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de votos divulgadas no município”, informou o site do órgão.

A respeito do atraso na totalização dos votos em todo país, o ministro Luís Roberto Barroso explicou que um supercomputador foi fornecido pela empresa Oracle para computar, de forma centralizada, os dados provenientes das urnas eletrônicas. Ele ressaltou que a centralização, no TSE, da totalização dos votos foi adotada a partir de uma recomendação da Polícia Federal para reduzir a quantidade de superfícies de ataque.

“Quando se têm 27 pontos, em tese, você teria o mesmo número de chances de pontos para atacar. Mas quando você concentra em um ponto e, nesse ponto, se concentram vários requisitos de segurança, como uma sala cofre de segurança, além de vários softwares, gestão e um serviço de vigilância 24 horas por sete dias na semana, se tem uma possibilidade menor de ataques. E como vimos, foram apontadas mais de 480 mil conexões por segundo ao sistema durante a eleição (mais do que o dobro registrado em 2016). Então, foi essa a estratégia e recomendação da PF que possibilitou seguir com o sistema atual”, explicou.

Defensores de novas eleições

Apesar de todas as explicações técnicas, o assunto sobre a suposta fraude nas eleições, deste ano, ainda promete render. Em Macaé, além da petição online, um grupo com cerca de 20 pessoas realizou uma manifestação na Praça Washigton Luiz, na última terça-feira, 17 de novembro.

Além disso, alguns eleitores também entraram na briga. "Não sou candidato, mas eu sou  eleitora! Quem decide somos nós! O que começou errado terminou duvidoso! Não podemos deixar que a dúvida seja sanada por explicação sem provas. Não adianta a gente choramingar sem pedir Justiça, não podemos sempre esperar a atitude vir do outro. Se houve fraude ou erro não somos quem tenho que provar, são eles (TSE) o ônus das provas cabe a eles. Se estão tão certos de que a contagem foi feita de forma justa, não só se expliquem e sim seja dada a prova concreta do acontecimento que impossibilitou a contagem em tempo real. Vamos votar de novo ou então vocês contam de novo! 2020 é um ano muito louco, não poderia terminar pior", comentou a estudante de direito, Andressa Reis.

O debate também chegou a nível federal. Após contato com um vereador do município do Rio de Janeiro, o Deputado Federal Daniel Silveira, que também é Presidente da Frente Parlamentar Mista pela Contagem Pública de Votos, decidiu apresentar um requerimento ao ministro Barroso, solicitando informações sobre a centralização da totalização de votos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O parlamentar pede: O parecer técnico da perícia da Polícia Federal que recomendou a decisão de centralização de totalização de votos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE); o plano de contingenciamento e prevenção da centralização e da totalização de votos no âmbito do Tribunal Superior Eleitoral (TSE); relatórios sobre as falhas no sistema de totalização dos votos; demais

Candidatos e partidos de Macaé reconhecem a vitória de Welberth Rezende

Após as eleições, principalmente em âmbito municipal, é normal que candidatos fiquem desapontados com o número de votos recebidos e questionem a confiabilidade das urnas eletrônicas, mas, este ano, o assunto tomou uma proporção atípica. Centenas de candidatos por todo o Brasil estão questionando o resultado, apesar do TSE e outros especialistas já terem afirmado que não há possibilidade de ter ocorrido fraudes.

O advogado, Jorge Richele, explicou que não existe chances das urnas terem sido fraudadas, tendo em vista o processo, que é realizado antes e depois da votação.

"O fato da apuração ter demorado não quer dizer que as urnas foram manipuladas. Ao iniciar a votação cada urna emite a zerésima, onde consta que não há voto computado naquela urna, no final da votação é emitida o boletim de votação, com a quantidade de votos de cada candidato. Outra questão é o fato da urna não ser conectada à internet o que por si só já basta para não ser acessada por hackers", frisou.

Em Macaé, o PDT já se pronunciou, em suas redes sociais, sobre o assunto e também afirmou que não acredita na suposta fraude. O presidente do partido em Macaé, Mauro Maia, fez uma nota publica afirmando que o partido reconhece a lisura do processo eleitoral. 

"Nós, como democratas, acreditamos nas urnas e no processo eleitoral! Não compactuamos e não somos favoráveis às manifestações chamadas por algumas pessoas que acreditam em lendas urbanas. Ao mesmo tempo que o ex-prefeito Riverton já passou diversas vezes pelo crivo popular das urnas e saiu vencedor. Ele já reconheceu a manifestação popular em sua página de Facebook. Como homem público com mais de 30 anos de serviços prestados à sociedade macaense, ele respeita a vontade do povo que é soberana e avalizar essas lendas é desconsiderar as próprias vitórias do passado.  Nós pedetistas defendemos e confiamos nas instituições, as urnas já deram o resultado, agora é preparar para as próximas, não cairemos em armadilhas", declarou a publicação.

O candidato do DEM, Silvinho Lopes, agradeceu os seus eleitores e publicou nas redes sociais: “Quero agradecer, do fundo do coração, a todos que nos deram um voto de confiança e também àqueles que fizeram outra escolha. A vontade do eleitor é sagrada e o meu respeito a ela é absoluto. Desejamos ao prefeito eleito, Welberth Rezende, sucesso nos desafios que virão. Continuaremos lutando por aquilo que acreditamos. Obrigado a todos e que Deus nos abençoe”.

Robson Oliveira (PTB) gravou vídeos para as redes sócias em agradecimento aos eleitores e escreveu: “Hoje quero apenas agradecer por tanto carinho recebido nas ruas da cidade e dizer que a nossa trajetória está só começando. Desejo sucesso ao Prefeito eleito para que ele possa mudar a realidade desse povo que tanto precisa. Que Deus abençoe Macaé!”.

› FONTE: RJ News


sem comentários

Deixe o seu comentário