Macaé News
Cotação
RSS

Prato vazio: Restaurante Popular encerra atividades em Macaé

Publicado em 24/09/2020 Editoria: Geral sem comentários Comente! Imprimir


Restaurante Popular serviu mais de 4,5 milhões de refeições desde a sua fundação

Restaurante Popular serviu mais de 4,5 milhões de refeições desde a sua fundação

Menos 34 funcionários e uma média de 1.500 a 1.800 refeições por dia. A pandemia da Covid-19 afetou um dos projetos sociais mais antigos de Macaé, o Restaurante Popular “Prato Cheio”, localizado na Aroeira. Fundado em 30 de março de 2004 e administrado por um Conselho de Administração, composto por 15 pessoas, o restaurante popular era comandado pelas três Lojas Maçônicas de Macaé. As atividades foram encerradas no último sábado, 19 de setembro.

De acordo com os membros do conselho, a pandemia inviabilizou o atendimento presencial e o trabalho estava sendo realizado em outras frentes que o termo de fomento contemplava. “Como as condições sanitárias são as mesmas, desde março quando a pandemia teve início, não há um protocolo seguro de não contaminação, tanto de usuários como de nossos funcionários. Não fomos surpreendidos, pois já vínhamos trabalhando com a possibilidade de interrupção ao final do contrato”, declarou um dos membros do conselho, que preferiu não se identificar.

A refeição custava R$ 1 para o usuário, sendo que idosos e crianças até 10 anos tinham gratuidades, conforme determinado em lei. Durante os 16 anos de funcionamento, o restaurante popular ofereceu mais de quatro milhões e quinhentas mil refeições.

“A sensação é que o projeto tem uma importância muito grande na diminuição da desigualdade e assim que as condições sanitárias permitirem ele voltará. O mais importante é o retorno do projeto quando houver as condições seguras para o funcionamento, sem riscos para a saúde da população”, frisou o entrevistado.

Em nota, a prefeitura de Macaé informou que as atividades do restaurante popular foram suspensas devido à pandemia da Covid-19. Ainda segundo a nota, a atitude visa “garantir transparência e economicidade. A municipalidade não renovou o contrato com a empresa que administrava o serviço, por não haver justificativa para transferência de dinheiro público sem a efetiva execução da atividade. Tão logo seja verificada pelos órgãos envolvidos segurança sanitária ideal para a reabertura, o Restaurante Popular voltará suas atividades”, disse.
Em sua rede social, o prefeito Dr. Aluízio escreveu: “O restaurante 1 real sofrerá adequação do espaço em acordo com as normas sanitárias de enfrentamento ao COVID. Em breve será reaberto”.

› FONTE: RJ News


sem comentários

Deixe o seu comentário