Macaé News
Cotação
RSS

O “novo normal” dos bares e restaurantes

Publicado em 14/09/2020 Editoria: Geral sem comentários Comente! Imprimir


Após um longo período de portas fechadas, os bares e restaurantes da região norte fluminense aos poucos começam a retomar as suas atividades de forma presencial, mas com uma série de regras a serem cumpridas para garantir a segurança dos clientes e funcionários.

Entre as normas de prevenção está o distanciamento das mesas, a higienização constante dos espaços, o uso de máscaras e de álcool, entre outras. Fazer com que os clientes cumpram essas determinações, pode ser um desafio.

  Luis Paulo, que é um dos sócios de um bar e petiscaria, localizado em Costa Azul, contou que há dois anos pensa em montar seu próprio negócio. Em fevereiro desse ano, em parceria com um amigo, decidiu oficializar a ideia, mas foi surpreendido com a pandemia. Agora reforçou o trabalho para atender a nova realidade.

"Quando decidimos abrir o negócio, veio a pandemia. Tivemos que adiar a inauguração e atrasou um pouco nossos planos. Mas agora o público está surpreendendo as expectativas e, por mais que estejamos em um momento delicado, o movimento está muito bom e compensando o tempo que ficamos fechados", revelou.

Para ele, a dificuldade é conscientizar os clientes de algumas normas, como o distanciamento, mas toda a equipe vem realizando um trabalho de excelência para garantir os cuidados necessários com os clientes e funcionários, respeitando todas as normas determinadas pela prefeitura.

Para a jovem Julia Santos, apesar do "novo normal" trazer um pouco de incertezas é necessária uma readaptação da rotina. "Apesar das limitações, que são necessárias para nossa segurança, voltar a frequentar bares e restaurantes tem sido maravilhoso, trazendo de volta os momentos com os amigos depois de um longo período de quarentena. O novo normal assusta e requer algumas adaptações, porém, aos poucos entendemos a importância desses cuidados. Eu, particularmente, tenho aproveitado bastante a possibilidade de voltar a sair com meus amigos e espero que as regras sejam respeitadas para que essa flexibilização se mantenha", afirmou.

Já a jornalista Monica Torres revelou que ainda não pretende sair de casa e acredita que, se fosse, o programa deixaria de ser lazer e se tornaria algo tenso.

"Eu adoro bar, adoro restaurante, mas, eu não vou mesmo neste momento. Esses lugares com certeza serão os últimos locais que eu irei. Temos que entender, estamos vivendo um momento delicado. Buscamos esse tipo de lugar para relaxar, mas você hoje tem que ficar olhando tudo, lembrando que tem que passar álcool em gel, tomando cuidado com a manipulação dos alimentos. É uma situação muito difícil", declarou.

Segundo Mônica, seus filhos, que são adolescentes, também estão tomando os devidos cuidados. "Os meus meninos também me seguram muito. Eles acham um absurdo as pessoas fazerem essa festa toda, diante da situação que estamos vivendo. Acredito que, com a chegada do verão, será ainda mais difícil segurar as pessoas em casa", lembrou.

Jovens são o novo público do polo gastronômico de Macaé

Após quase 150 dias fechados para o atendimento a clientes, em razão da quarentena imposta para conter o avanço do coronavírus, o retorno do funcionamento de estabelecimentos gastronômicos em Macaé tem sido aderido, em sua maior parte, pelo público jovem.  De acordo com avaliação dos associados do Polo Gastronômico da Praia dos Cavaleiros, 90% dos clientes são jovens.

Em cumprimento ao decreto municipal 123/2020, os restaurantes podem funcionar das 11h30 às 15h e das 18h às 22h. Já as lanchonetes e cafeterias, de acordo com o decreto 122/2020, das 10h às 18h. Devido à restrição do horário, o consumo fica limitado, já que as cozinhas precisam ser fechadas às 14h30 para encerramento das atividades às 15h. Os clientes, por sua vez, reclamam do horário de funcionamento nos finais de semana. "Em geral, sábados e domingos saímos para almoçar por volta das 13h e ao chegar temos que fazer o pedido e comer correndo. Esse horário das 11h30 seria bom se estivéssemos nas empresas, mas agora a realidade é home office. Esse horário poderia ser revisto", avaliou Adriana Manhães, uma das clientes.

A expectativa do Polo é que aos poucos o público de famílias e pessoas com mais de 60 anos voltem a frequentar os estabelecimentos. "O que se vê é que, apesar da possibilidade de abertura ‘normal’, seguindo todas as regras, a maioria dos clientes ainda está temerosa. Entendemos o medo das pessoas, mas estamos respeitando todas as medidas de segurança. Aos poucos, os clientes estão voltando", disse a presidente do Polo Gastronômico dos Cavaleiros, Mirian Dias.

› FONTE: RJ News


sem comentários

Deixe o seu comentário