Macaé News
Cotação
RSS

Macaé e Conceição de Macabu lideram o ranking de novos casos da Covid-19

Publicado em 06/09/2020 Editoria: Saúde sem comentários Comente! Imprimir


Testar a população é fundamental para avaliar a situação da doença nos municípios

Testar a população é fundamental para avaliar a situação da doença nos municípios

Levantamento do GT (Grupo de Enfrentamento) da Covid-19 da UFRJ Macaé, divulgado nessa quarta-feira, dia 02 de setembro, mostra que os municípios de Macaé e Conceição de Macabu apresentam maior incidência (números de casos novos) do novo coronavírus. Segundo a médica epidemiologista e coordenadora do GT Covid-19 da UFRJ Macaé, Karla Coelho, o coeficiente de incidência por 100 mil habitantes de Conceição de Macabu é 2.789,7, e de Macaé, 2.767,0.

Atualmente, a capital do petróleo registra, segundo o boletim do Centro de Triagem do Paciente com Coronavírus, 7.149 casos confirmados, sendo 7.075 pacientes recuperados e 132 óbitos. Conceição de Macabu está com 648 casos confirmados e 11 óbitos. De acordo com o levantamento, os municípios que registram menor incidência são Campos dos Goytacazes e Rio das Ostras. “Todas essas cidades mapeadas desenvolveram diferentes métodos de testagem. Alguns testaram em maior número que os outros, o que pode mascarar e até mesmo alterar o coeficiente de incidência”, explicou Karla. Campos dos Goytacazes está com 4.612 casos confirmados, 301 mortes, e Rio das Ostras, com 1.653 casos confirmados e 71 óbitos.

Quanto ao coeficiente de mortalidade, ou seja, número de óbitos por população, a médica informou que o município que mais chama a atenção pelo alto valor é São Fidelis, no noroeste fluminense, com 87,9 por 100 mil habitantes, seguido de São João da Barra e Quissamã. “As três cidades possuem, no momento, coeficiente de mortalidade elevado, quando se compara ao índice do Brasil. Porém, todos os municípios da região norte fluminense possuem coeficiente de mortalidade inferior ao do estado do Rio de Janeiro. As cidades com menor coeficiente de mortalidade são Carapebus e Rio das Ostras”, explicou.

Apesar de Macaé estar na faixa verde, ou seja, baixo risco no grau de contaminação do novo coronavírus, a médica Karla Coelho revelou que o município registra alta mortalidade: 51,4 por 100 mil habitantes. O coeficiente de Macaé, de acordo com ela, está próximo ao do Brasil, que é 57,9 por 100 mil habitantes. Para a médica, a flexibilização na cidade foi precipitada.

Segundo o professor Antônio Guimarães, também integrante do GT Covid da UFRJ Macaé, há um equívoco na interpretação de que o baixo risco, associado à bandeira verde, signifique baixo risco de contaminação para os indivíduos. “O risco de contaminação depende da circulação do vírus, do número de casos ativos, isto é, de pessoas que podem transmitir a infecção. Pelas curvas de casos descobertos e óbitos, podemos inferir que o número de casos ativos ainda é alto em Macaé. De fato, o patamar atual de mortalidade por Covid-19 na cidade, nas últimas semanas, é próximo da média nacional, aquele do platô alto que se mantém constante há alguns meses”, explicou. 

Questionada se o período de achatamento da curva foi atingido e caso não, se há previsão, a médica epidemiologista da UFRJ Macaé esclareceu que os dados de mortalidade têm se mantido estáveis nas cidades analisadas e a flexibilização pode aumentar esses dados. “O chamado achatamento da curva é relativo à situação. Há controles, há distanciamento social, há cuidados extras de higiene, então está havendo achatamento da curva, mas conforme os controles vão se reduzindo e o vírus continua circulando, a curva (de casos e de óbitos) vai se mantendo num determinado patamar, ou caindo mais lentamente do que ocorreria caso os controles fossem maiores. Os controles achatam a curva e o relaxamento deles alongam a curva. Uma redução grande dos controles pode levar até a ‘repiques’, novas fases de crescimento de casos e óbitos”, finaliza Karla.

A coordenação do GT Covid-19 da UFRJ Macaé informou que não teve acesso à metodologia de avaliação do risco de contaminação que indicou a faixa verde na cidade.

A reportagem do RJ News contatou a Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Macaé e solicitou informações do planejamento adotado pela prefeitura para que o município entrasse na faixa verde, mas até o fechamento dessa matéria, nenhuma resposta foi enviada à reportagem.

Respostas de Rio das Ostras e Conceição de Macabu
Por nota, a Prefeitura de Rio das Ostras informou que a cidade está na Bandeira Amarela - nível 2, no Sistema de Bandeiras do Plano de Flexibilização da Abertura Gradual do comércio. Atualmente, funcionam na cidade, comércio de rua, em horários alternados. Segundo a prefeitura, o acesso às lagoas, praças, parques e pontos turísticos continua proibido e as praias são liberadas somente para atividades físicas individuais, com restrições. As recomendações de evitar aglomerações e isolamento total dos grupos mais vulneráveis ainda persistem e o uso da máscara é obrigatório em todo Município, sob pena de multa.

No que diz respeito às aulas, o executivo esclarece que não há previsão de data para retorno presencial na Rede Municipal de Ensino.

A Prefeitura de Conceição de Macabu também informou, por meio de nota, que além de solicitar frequentemente a colaboração da população para sair de casa apenas quando necessário, usar máscara e manter o distanciamento entre as pessoas, o executivo realiza ações, como publicação de decretos e ampliação de leitos, tanto para atendimentos de combate ao Coronavírus, como para atendimentos hospitalares tradicionais. A nota também disse que foram adquiridos mais respiradores, equipamentos de proteção individual (EPI), além da criação de um gabinete de crise, um Centro de Referência de Síndromes Gripais e um disque denúncia para a população informar sobre estabelecimentos comerciais em desobediência aos decretos ou aglomeração de pessoas. A prefeitura afirma ainda que realiza testagens diárias, assim como investigação e contatos com pessoas infectadas, e lavagem e desinfecção diária nas ruas do município. Essas medidas tiveram início em março, quando a pandemia começou.

A reportagem do RJ News também solicitou informações e entrevistas ao setor responsável da Prefeitura de Macaé, que está fiscalizando o cumprimento do decreto que obriga o uso de máscaras na cidade em locais públicos desde o dia 17 de agosto, mas até o fechamento desta edição, nenhuma resposta foi enviada.

› FONTE: RJ News


sem comentários

Deixe o seu comentário