Macaé News
Cotação
RSS

MPRJ ajuíza ação para que município do Rio providencie Plano de Gestão de Óbitos diante da epidemia de Covid-19

Publicado em 29/05/2020 Editoria: Geral sem comentários Comente! Imprimir


O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da Força-Tarefa de Atuação Integrada na Fiscalização das Ações Estaduais e Municipais de Enfrentamento à COVID-19/MPRJ (FTCOVID-19/MPRJ), do Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública (GAESP/MPRJ) e do Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente (GAEMA/MPRJ), ajuizou, nesta quarta-feira (27/05), ação civil pública com pedido de tutela de urgência em face do município do Rio de Janeiro, para que o mesmo providencie a elaboração e a execução de Plano de Gestão de Óbitos, contemplando o conjunto de ações e matriz de responsabilidades referentes a toda a cadeia dos óbitos, haja vista o expressivo aumento do número de mortes na cidade em função da pandemia de Covid-19.

O MPRJ encaminhou, em 13 de maio, a Recomendação n° 29/2020, a fim de que fosse elaborado o referido o plano, mas, até a presente data, não houve resposta pelo ente municipal, o que motivou a propositura da ação civil pública. O objetivo é compelir o Município do Rio de Janeiro a planejar as ações, fluxos e responsáveis pelas diversas etapas que devem ser percorridas desde a ocorrência do óbito até o sepultamento/cremação.

Do plano devem constar, minimamente, uma série de medidas e informações técnicas, tais como: a indicação do profissional responsável por atestar e emitir as declarações de óbitos ocorridos, seja em residências, via pública ou unidades de acolhimento e moradia de população vulnerável; o órgão responsável por efetuar o transporte do corpo até o local de identificação ou acondicionamento; o detalhamento das medidas e benefícios assistenciais voltados às famílias que não disponham de recursos para custear traslado e sepultamento de parentes vitimados pela Covid-19; as providências destinadas a viabilizar a futura identificação daqueles que vierem a óbito sem identificação e daqueles não reclamados por familiares ou pessoa próxima; e, por fim, a identificação da capacidade cemiterial para sepultamentos e cremações no município. 

Requer ainda que a Justiça determine ao réu que confira ampla publicidade e transparência do Plano de Gestão de Óbitos, em linguagem clara e de fácil acesso à população, com ampla divulgação em seu sítio eletrônico oficial e em meios de comunicação, atendendo às normas de acessibilidade. Deverá ainda divulgar dados e informações empregados no planejamento da gestão do óbito, inclusive quanto à regulação de vagas cemiteriais, bem como ampliar o horário de funcionamento dessas unidades caso se releve necessário e, também, o percentual de gratuidades nos serviços funerários, desburocratizando o procedimento para a sua obtenção.

Por fim, sustenta o MPRJ que o estado crítico gerado  pela pandemia requer a conciliação entre a proteção ambiental e a celeridade. Objetiva-se com a presente ação evitar uma situação de calamidade sanitária, por falta de planejamento, na qual se venha a abdicar ou relativizar o controle ambiental em prol da urgência sanitária  e humanitária,  partindo para a indesejável utilização de covas rasas, ou até, em situação extremíssima, de covas coletivas, maculadoras do princípio constitucional da dignidade da pessoa humana. Na constituição da presente ACP, foi fundamental a colaboração do Laboratório INOVA/MPRJ, que realizou um trabalho para auxiliar a FTCOVID-19/MPRJ a identificar as omissões do município, e disponibilizou fluxograma para que a população saiba como agir em cada tipo de óbito - em casa, na rua, em instituições de internação, em dias úteis ou não, em período noturno ou diurno.

Força-Tarefa do MPRJ

A FTCOVID-19/MPRJ foi criada em 07/04 por resolução que considerou a expressividade dos recursos materiais e humanos empregados pelos governos estaduais e municipais para o combate à Covid-19 e a necessidade de se privilegiar a eficiência de atuação do MPRJ, de forma célere, na esfera judicial ou extrajudicial, incrementando o agir proativo e preventivo no acompanhamento das ações do Poder Público. A Força-Tarefa  não só lidera o plano de ação estratégico do MPRJ no enfrentamento à pandemia, como também presta suporte técnico aos órgãos de execução do MPRJ com atribuição para investigações e exames de projetos, licitações e contratos, além de monitorar atos normativos estaduais e municipais nas diversas áreas impactadas pela pandemia, como Saúde, Educação e Cidadania.

› FONTE: MP-RJ


sem comentários

Deixe o seu comentário