Macaé News
Cotação
RSS

Witzel dá ultimato para que governo federal ajude estados em meio ao surto do novo coronavírus

Publicado em 26/03/2020 Editoria: Geral sem comentários Comente! Imprimir


O governador Wilson Witzel (PSC) disse, na manhã desta quinta-feira, que se o governo federal não ajudar os estados nos impactos causados à economia por causa das medidas adotadas no combate ao novo coronavírus (covid-19), as unidades da federação vão entrar em um "caos financeiro". O governador afirmou que se até a próxima segunda a União não previr recursos extras, o Rio terá que reavaliar a determinação de fechamento das empresas.

"Não podemos pedir para autônomos, pequenos empresários, para empresas ficarem paralisadas se não houver uma sinalização imediata do ministro Paulo Guedes que ele vai colocar pelo menos R$ 500 bilhões na economia", calculou Witzel, em entrevista à TV Globo.

O governador voltou a lamentar o pronunciamento feito na noite de terça pelo presidente Jair Bolsonaro, que novamente classificou a pandemia como uma "gripezinha" e pediu para que a população voltasse às ruas. Witzel classificou como "falta de responsabilidade" a não mobilização do governo federal "até o presente momento".
"Não podemos pedir para que as pessoas fiquem em casa, que as empresas fiquem fechadas, se quem tem condições de socorrer, que é o governo federal, e tem dinheiro para isso, não tomar as providências. As responsabilidades passam a ser deles", alertou.

Witzel avisou que se o Rio não receber nenhuma ajuda financeira da União até segunda, terá que rever as medidas restritivas de circulação de pessoas. No momento, para evitar a propagação da covid-19 no Rio, apenas uma pequena parte do comércio e empresas está liberada para funcionar.

"Se o governo federal, até segunda-feira, não apresentar algo que dê esperança para que as pessoas possam saber que não vão morrer de fome e não vão ter um cataclisma na suas vidas, vai ser muito difícil continuar com essas medidas protetivas", avisou.

HOSPITAL NO MARACANÃ
O governador também confirmou que um hospital de campanha será montado no estádio do Maracanã. Ele prevê cerca de 900 leitos abertos no estado para o tratamento da doença em até 15 dias.
Além dos leitos criados no Maracanã, Witzel especificou que há outros sendo liberados no Hospital Zilda Arns, em Volta Redonda, e no Instituto Estadual do Cérebro, no Centro da capital. Além disso, vão ser montados hospitais de campanha na Barra da Tijuca, em um terreno cedido pela Prefeitura do Rio, e em Nova Iguaçu e São Gonçalo.

"Toda essa logística deve, nos próximos 15 dias, estar já adiantada. Acompanhando a curva de contaminação com as medidas de restrição da circulação, vamos conseguir no próximo dia 4 fazer uma avaliação das restrições da mobilidade. Já teremos condições de atender os pacientes mais crônicos e assim começar lentamente a retomar a atividade econômica com responsabilidade e preservando vidas, que é o que mais estamos preocupados neste momento", afirmou.

› FONTE: O Dia


sem comentários

Deixe o seu comentário