Macaé News
Cotação
RSS

Quarenta trens chineses são tirados de circulação no Rio

Publicado em 21/11/2019 Editoria: Geral sem comentários Comente! Imprimir


A Supervia anunciou ontem, em suas páginas nas redes sociais, que 40 trens chineses foram tirados de circulação. Com isso, a cidade amanheceu nesta segunda (18) mergulhada no caos total, com as estações lotadas de gente. "Lamentamos informar que, para garantir a sua segurança e atendendo à recomendação da fabricante CRRC, consórcio chinês (...) com isso, mediante a indisponibilidade parcial da frota, precisaremos ajustar nossa operação, buscando a continuidade da prestação do serviço com segurança e o mínimo de impactos possível", diz o comunicado do consórcio que opera os trens cariocas.

Os trens chineses (2º lote), fabricados pelo Consórcio CRRC, foram comprados pelo Estado do Rio de Janeiro e incluídos na operação da SuperVia entre 2014 e 2016.

Em setembro de 2016, foram detectados problemas de projetos, em especial na caixa de tração (engrenagem que transmite energia do motor para eixo e rodas) e os responsáveis comunicados. Com isso, a chinesa CRRC iniciou o processo de análise técnica, identificando a necessidade de substituição do tipo de peça. Desde novembro de 2018, então, um recall foi feito pela fabricante até que em junho de 2019, em vistorias, novas falhas foram identificadas e a CRRC, então, suspendeu o retrabalho malsucedido até que encontre uma nova medida para solução.

Por estar ainda em período de garantia, a manutenção das referidas caixas de tração é responsabilidade do Consórcio CRRC, de acordo com contrato firmado entre os chineses e o Estado.

Além de acionar o plano de contingência junto ao Centro de Operações da Prefeitura do Rio de Janeiro (COR) e Concessionárias de transporte, a SuperVia está reforçando o efetivo de apoio nas estações e ramais impactados, assim como nos canais de atendimento aos passageiros. A empresa espera uma solução rápida pelo fornecedor chinês, que permita que o serviço seja normalizado brevemente.

Jornal do Brasil

› FONTE: Macaé News (www.macaenews.com.br)


sem comentários

Deixe o seu comentário