Macaé News
Cotação
RSS

‘Museus por dentro, por dentro dos Museus’

Publicado em 24/09/2019 Editoria: Cultura sem comentários Comente! Imprimir


‘13ª Primavera dos Museus’ prossegue com show de capoeira

 

A‘13ª Primavera dos Museus’ foi aberta, na noite de segunda-feira (23), com o vernissage da exposição ‘Museus por dentro, por dentro dos Museus’, no Solar dos Mellos – Museu da Cidade de Macaé. A mostra, que trata de detalhes da arquitetura da casa e de sua história, estende-se por todos os cômodos. A abordagem é histórica, mas também tem a proposta de apresentar o trabalho realizado no museu atualmente. O principal deles é a preservação de documentação, como a que deu origem à pesquisa sobre o quilombo Carukango. A‘13ª Primavera dos Museus’, que vai até sexta-feira (27), nesta terça-feira (24), às 18h, apresentará show do Grupo Macaé de Capoeira (GMac), de Mestre Kiko, com cerca e 30 participantes.

 

O Grupo Macaé de Capoeira (GMac) foi fundado, em 2005, pelos Mestres de Capoeira: Kiko, Anu, Gabiru e Vando. A apresentação pretende a valorização da cultura afro-brasileira e também divulgar as aulas gratuitas de capoeira, para crianças e adultos, que estão sendo oferecidas pela Secretaria de Cultura, no Solar dos Mellos, na terça e na sexta-feira. Das 18h às 19h30, acontecem as aulas para crianças a partir de 3 anos de idade. As dos adultos são das 19h30 às 21h. As matrículas estão abertas.

 

- A capoeira é uma das expressões da nossa cultura e vamos mostrar a sua importância na educação de crianças e jovens e também na vida de muitos adultos. A capoeira é um instrumento de inclusão social. Ela pode ser praticada por qualquer pessoa. Ela é igual para todos, porque na roda, somos todos iguais, enfatiza Mestre kiko.

Durante a ‘13ª Primavera dos Museus’ vão acontecer visitas mediadas ao Solar dos Mellos, às 9h30 e às 14h30, sem necessidade de agendamento. Neste período, a exposição ficará aberta ao público, das 9h às 22h. Todos os eventos realizados pela Secretaria de Cultura no Solar dos Mello têm entrada franca.

- Nos sentimos privilegiados por participarmos de uma iniciativa nacional do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). Esta exposição oferece uma grande acessibilidade ao museu, porque o público vai percorrer todos os cômodos e conhecer o dia a dia da casa, enquanto os funcionários estarão trabalhando. Nós desenvolvemos no Solar um leque de projetos e atividades com a finalidade de aproximar cada vez mais a sociedade de seu museu.  Nesta semana, estamos promovendo uma programação especial diversificada, disse o secretário de Cultura, Thales Coutinho.

- Quero agradecer a comunidade que se envolveu e ajudou a montar a exposição. É muito gratificante ver a comunidade participar não só para assistir, mas no fazer. Foi maravilhoso para nós prepararmos esta exposição, salientou a diretora do Solar dos Mellos, Viviane Chaves.

A exposição ‘Museus por dentro, por dentro dos Museus’ leva o nome do tema do projeto nacional. Sob a curadoria de Cláudia Barreto, a mostra foi elaborada com a participação dos pesquisadores e dos demais funcionários do Solar dos Mellos. Um dos focos do trabalho está sobre a pesquisa realizada por meio do Solar, que prova a existência de um quilombo em terras macaenses.

Segundo o historiador e paleógrafo, Bruno Rodrigues, que ministrou a palestra ‘Museus e Fontes Primárias / Paleografia, História e Memória: Macaé e o Quilombo de Carukango’, quilombo quer dizer, em banto, lugar de parada para repouso. A Fundação Palmares reconhece 38 quilombos no Estado do Rio de Janeiro e o Carukango, localizado “ao pé do rio Macabu em gruta desconhecida próxima à Cachoeira da Amorosa”, foi o maior deles, com mais de 200 pessoas. Os quilombos começaram a ser formados a partir do século XVIII e o grupo, em Macaé, resistiu por mais de duas décadas.

- O fundador do assentamento de escravos era conhecido como Carukango, batizado como Antônio Moçambique, que se dizia príncipe africano e também feiticeiro. Carukango significa: aquele que tudo vê ou o observador. Macaé foi um dos lugares de maior movimentação de negros escravizados no século XIX. A documentação que deu origem às pesquisas sobre o Carukango foi tratada e está disponível no museu da cidade. O Solar dos Mellos é hoje referência para o estudo da história regional. O museu de Macaé possui documentação bibliográfica, jornalística, jurídico-cartorial e eclesiástica, disse o professor.

A estudante macaense de História, Jéssica Luna, acompanha as pesquisas sobre Carukango pelo contato que tem com os professores pesquisadores.

- Isso despertou em mim o interesse por história regional e levo isso para a minha vida. Achei interessante o fato de termos tantos documentos, mas apesar disso, ninguém ter conseguido ainda encontrar a gruta, destacou.

Já o provedor da Irmandade de Santana (Igreja de Santana), José Sueiro, colaborou com a montagem da mostra. “É muito bom contribuir de alguma forma. Hoje eu fui surpreendido com uma história linda de resistência à escravidão, que é muito importante, principalmente para os jovens. Assim eles poderão conhecer a sua história e como era a cultura da época. Adorei a exposição e amanhã vou trazer o meu filho”, ressaltou.

Programação

Na quarta-feira (25), às 19h, vai haver um ‘Café Literário’ especial no auditório Presidente Washington Luís. Será a ‘Roda de Conversa - Processo de Criação, Técnicas e Inspirações do cartunista Ed Meirelles’. Já a quinta-feira (26) é o dia da ‘Festa da Primavera da Cultura’. A festa, a partir das 18h, terá o melhor da gastronomia urbana e do artesanato de Macaé e ainda o show Lu Oliveira e o Grupo ‘Mistura e Manda’ da Escola Municipal de Artes Maria José Guedes (Emart). Eles interpretam ritmos dançantes, como forró, bolero, soltinho, samba e zouk e garantem a diversão. A Escola de Dança Jaime Arôxa também se apresenta no evento, às 19h, para ninguém ficar parado.

› FONTE: Secom Macaé


sem comentários

Deixe o seu comentário