Macaé News
Cotação
RSS

Padre Marcelo Rossi é proibido pela justiça de comercializar 'Ágape', seu livro mais famoso

Publicado em 13/04/2019 Editoria: Geral sem comentários Comente! Imprimir


 Liminar deferida pelo desembargador Gilberto Campista Garino, da 14ª Vara Cível do Rio, proíbe o padre, cantor e escritor, Marcelo Rossi, de 51 anos, de comercializar, a partir de hoje, o livro Ágape, sua obra mais famosa. Gilberto  acatou os argumentos da escritora carioca, Izaura Garcia, de 62 anos, através das advogadas Carolina Miraglia e Mariana Sauwen, do escritório Miraglia & Sauwen, de que o sacerdote, um dos expoentes da Igreja Católica nacional, a plagiou em um texto. A informação foi dada nesta sexta-feira pelo jornalista Alessandro Lo-Bianco, no Programa A Tarde é Sua, pela Rede TV. O desembargador proibiu religioso de publicar, comercializar e distribuir o livro.

"Tudo bem ponderado, defiro parcialmente a tutela provisória de urgência, a fim de que os agravados suspendam a publicação, distribuição e venda de exemplares da obra Ágape, até que comprovem a retificação de autoria do texto “Perguntas e Respostas – Felicidade! Qual é?”, nela veiculado, atribuindo-o corretamente à agravante (Izaura Garcia), ou até que o suprimam, sob pena de multa equivalente ao dobro do valor comercial de cada exemplar publicado, distribuído e/ou vendido (dependendo do tipo de material da capa, o livro custa entre R$ 14 e R$ 70 no comércio), na forma do art. 537, caput da Lei Federal n.º 13.105/2015", escreveu o desembargador no seu despacho, que o DIA teve acesso.

A defesa de Marcelo Rossi e da Editora Globo Livros informou que só haverá pronunciamento sobre o assunto depois que ambos forem notificados. Para a advogada Carolina Miraglia, a decisão de Gilberto Campista Garino, é mais do que justa em relação ao processo, no qual, com base na Lei de Direitos Autorais, a causa chega a R$ 53 milhões

"É preciso deixar bem claro que não foi Izaura que pediu esse valor. Trata-se de lei, que tem que ser cumprida. Além disso, algumas críticas alegando que minha cliente quer supostamente ganhar dinheiro à custas do padre, não procedem. Porque foi Marcelo Rossi que ganhou dinheiro, e muito, a ponto de construir um templo, com o único texto que consta no livro, essencialmente de passagens bíblicas, de autoria de Izaura. Na verdade, Marcelo Rossi enganou todos os seus leitores, no mundo inteiro", justificou Carolina.

Izaura disse estar mais esperançosa de que "justiça plena" seja feita agora. "Sempre confiei que a justiça não se sucumbiria à força e ao dinheiro da outra parte. Confio em Deus e na competência do nosso judiciário", afirmou.

Outros processos

O sacerdote, que já respondeu a outros dois processos por supostos plágios, não comenta o assunto. Izaura provou, conforme o DIA revelou com exclusividade, que o texto &39;Perguntas e Respostas, Felicidade qual é?&39;, que consta em Ágape, lançado pelo sacerdote em 2010, é de sua autoria. Na obra, porém, é atribuído a Madre Teresa de Calcutá. Os R$ 53 milhões indenização é equivalente, de acordo com a lei, a 20% da venda de 10 milhões de exemplares, em 30 países.

O inquérito contra Rossi foi encaminhado ao MP em novembro do ano passado, mas o órgão solicitou duas novas diligências: uma, de ouvir o padre sobre o assunto, e outra, sigilosa, envolvendo documentos. Em julho de 2017, o líder católico foi acusado de plagiar texto do carioca Ronaldo Siqueira da Silva, de 58 anos, no livro &39;O Eremita Urbano&39;, conforme o DIA noticiou também com exclusividade na época. No caso de Izaura, o plágio foi constatado por ela numa livraria, sem querer.

"Além de registro em cartório, o meu texto (entre os 100 mais fraternos do mundo, segundo sites especializados) foi publicado em 2002 no livro &39;Nunca Deixe de Sonhar&39;, meu e de outros autores. Fiz um acordo em 2013 com a Editora Globo Livros, não cumprido na íntegra".

Pelo acordo, ela recebeu R$ 25 mil de adiantamento pelo lançamento de seu livro &39;Diabetes.com.saúde&39;, em 2013, pela mesma editora, que se comprometeu a colocar o seu nome nas outras edições de &39;Ágape&39;. "Na última edição (2015), nada mudou. Até hoje não me deram balanço ou pagamento da venda do meu livro sobre diabetes". "O não cumprimento do acordo foi uma espécie de confissão de culpa desse processo todo", atenta a advogada Mariana Sauwen.

Izaura conta que se encontrou com Rossi há dois anos, numa feira de livros. "Ele apenas me abençoou e disse que Deus fecha uma porta, mas abre outras. Fiquei estarrecida com tamanha frieza", lembra.

› FONTE: O Dia


sem comentários

Deixe o seu comentário