Macaé News
Cotação
RSS

Justiça suspende direitos políticos de Garotinho por oito anos

Publicado em 28/07/2018 Editoria: Política sem comentários Comente! Imprimir


A Justiça do Rio suspendeu os direitos políticos de Anthony Garotinho pelos próximos oito anos. A decisão é do desembargador Ricardo Cardoso, da 15ª Câmara do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ). O ex-governador, que é pré-candidato pelo PRP ao Governo do Estado, foi condenado por improbidade administrativa e ainda terá que pagar multa R$ 2 milhões por danos morais e multa de R$ 500 mil.

Garotinho é acusado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) de participar de esquema criminoso que desviou R$ 234,4 milhões da Secretaria estadual de Saúde entre 2005 e 2006. Na época, o estado era governado pela mulher do político, Rosinha Matheus e Garotinho era seu secretário de Estado do Governo.

De acordo com a sentença, ficou "confirmada a indevida dispensa de licitação, com contratação ilícita da Fundação Pró-Cefet para a gestão do projeto &39;Saúde em Movimento&39;, que custou aos cofres públicos um total de R$ 234 milhões". Ainda de acordo com a decisão, o contrato só foi possível porque, enquanto secretário de Governo, Garotinho intercedeu para que fosse rompido o então vigente contrato com a Fundação Escola de Serviço Público (Fesp), que administrava o projeto, abrindo caminho para o acordo fraudulento com a Pró-Cefet.


Em nota, Garotinho disse que a ação foi julgada no momento eleitoral sem que ele tivesse defensor constituído no processo. "O que demonstra uma pressa sem justificativa e o claro cerceamento de defesa", afirmou o ex-governador.

"Não cometi ato algum de improbidade, e essa condenação ocorre sem qualquer prova, pois até as perícias requeridas por minha defesa à época foram negadas. De qualquer forma, é preciso deixar claro que essa condenação injusta não implica de forma alguma em minha inelegibilidade", comentou em outro trecho.

"Em todas as demais hipóteses, a condenação por improbidade só pode gerar efeitos após esgotados todos os recursos, e tenham certeza que irei recorrer até a última instância para provar que se trata de mais uma injustiça", completou Garotinho. 

› FONTE: O Dia


sem comentários

Deixe o seu comentário