Macaé News
Cotação
RSS

Lusa entra na Justiça comum para jogar Série A

Publicado em 02/04/2014 Editoria: Esporte sem comentários Comente! Imprimir


A Portuguesa cumpriu a promessa e ingressou com uma ação na Justiça comum para reaver o direito de disputar a Série A do Campeonato Brasileiro. O time paulista foi rebaixado à segunda divisão deste ano após o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) julgá-lo como culpado por conta da escalação do meia Héverton, na última rodada do Brasileirão de 2013.

A ação agora corre na 43ª Vara Cível de São Paulo. Ela foi proposta pelo vice-presidente jurídico da Portuguesa, Orlando Cordeiro de Barros, conforme divulgado pelo próprio clube paulista, em nota oficial (íntegra abaixo).

Foi Barros, aliás, quem havia prometido que o clube entraria na Justiça comum para retornar à Série A, na última terça-feira, em entrevista à Bradesco Esportes FM. Na ocasião, o vice jurídico também disse não temer represálias na esfera esportiva por conta da atitude do clube – vale lembrar que a Fifa costuma punir clubes que entram na Justiça comum.

A ida à Justiça comum, por parte da Portuguesa, vinha sendo especulada desde o início do imbróglio. Nesse período, torcedores chegaram a obter liminares a favor do clube, mas todas acabaram cassadas pela CBF - em seguida, a entidade confirmou a realização da Série A de 2014 sem a presença da Lusa.

No julgamento do STJD sobre a escalação de Héverton, a Portuguesa foi punida com a perda de quatro pontos. Com isso, o time paulista acabou na zona de rebaixamento, no lugar do Fluminense, que se salvou da degola.

"A Associação Portuguesa de Desportos, por meio do seu Departamento Jurídico, vem a público informar que ingressou nesta terça-feira (01) com uma ação na Justiça comum visando restabelecer o seu direito.

A ação, proposta pelo vice-presidente jurídico do clube, Dr. Orlando Cordeiro de Barros, e pelo Dr. Daniel Assumpção Neves, foi ajuizada na 43ª Vara Cível de São Paulo e tem como objetivo restabelecer os seus direitos lesados".

› FONTE: Macaé News (www.macaenews.com.br)


sem comentários

Deixe o seu comentário