Macaé News
Cotação
RSS

MPRJ realiza operação para prender quadrilha de traficantes com atuação em Teresópolis

Publicado em 23/03/2018 Editoria: Segurança sem comentários Comente! Imprimir


O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, por meio do Grupo de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ), realiza nesta sexta-feira (23/03) a Operação Mandrake II, para desarticular uma quadrilha de traficantes que age no município de Teresópolis, na Região Serrana do Rio. O objetivo é cumprir seis mandados de prisão e sete de busca e apreensão, nos municípios de Teresópolis, São Gonçalo e também dentro do sistema prisional.

Foram denunciados nove integrantes de uma organização criminosa que comanda o tráfico de drogas nas comunidades do Perpétuo, Rosário e Fonte Santa, em Teresópolis. Segundo a denúncia, a quadrilha utiliza armas de fogo para sustentar seu poder e recrutar adolescentes para a venda de drogas ilícitas na região. No curso da investigação, o MPRJ identificou relação entre os traficantes de Teresópolis com fornecedores na Vila Kennedy e no município de São Gonçalo - onde está foragida uma das lideranças do grupo, Bruno Silva Souza, conhecido como Bumba, após escapar do sistema prisional.

Iniciada em 2017, com apoio da Coordenadoria de Inteligência da Polícia Militar e do 30º BPM (Teresópolis), a investigação identificou que lideranças do tráfico de Teresópolis, mesmo presas, continuam a exercer poder sobre as comunidades e sobre seu subordinados soltos. Por esse motivo, nesta sexta-feira serão feitas buscas na galeria e na cela ocupada por um dos líderes do grupo, Wesley da Silva Neves, vulgo 2l, na Penitenciária Vicente Piragibe.

Todos foram denunciados pelos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico, previstos nos artigos 33 e 35 da Lei Federal nº 11.343/06, cujas penas somadas podem chegar a 25 anos de prisão. Também foram incluídos no artigo 40, que prevê o aumento de 1/6 a 2/3 da pena quando a prática envolve crianças, emprego de arma de fogo, entre outros agravantes.

 

› FONTE: MPRJ


sem comentários

Deixe o seu comentário

Digite as palavras abaixo: