Macaé News
Cotação
RSS

'Tudo por Justiça' desfaz o sonho americano com bela atuação de Christian Bale

Publicado em 30/03/2014 Editoria: Cultura sem comentários Comente! Imprimir


O elenco é estelar, a direção e as atuações são ótimas e o roteiro é bem conduzido. Elementos assim fazem parecer que "Tudo por justiça" (Out of the furnace", no original) é um filme impecável. Pode não chegar a tanto, mas cativa por uma atmosfera melancólica e emotiva ao seguir a trajetória de Russel Baze (Christian Bale, em mais uma incrível performance) no desejo de vingar a morte de seu irmão caçula, Rodney, vivido por Casey Affleck, também irmão mais novo – menos famoso, mas mais talentoso como ator – de Ben Affleck.

A trajetória é, na verdade, mais longa do que pressupõe a justiça do título em português. Russel é o típico bom rapaz americano, filho, namorado, irmão e trabalhador exemplar, que vive em Braddock, no estado da Pensilvânia. Ser bom aqui, porém, não confere ao protagonista um ar de mocinho ingênuo ou caricato. Ao contrário, seu caminho atravessa um cotidiano de violência, desencontro amoroso, dificuldades financeiras e até um período na prisão.

"Tudo por Justiça" analisa a derrocada do sonho americano, sobretudo no interior dos Estados Unidos, característica do diretor Scott Cooper, que já falava sobre o tema em "Coração louco" (2009), filme que deu a Jeff Bridges o Oscar de Melhor Ator. Mas se Bad Blake, astro country composto brilhantemente por Bridges, era uma espécie de nômade tentando escapar de seus demônios, Russel Blaze é o oposto: apegado à rotina, mesmo que ela seja dolorosa, ele quer que seu irmão – um soldado assombrado pelas missões que enfrentou no Iraque – siga sua cartilha de trabalho diário e fique longe de confusões.
É interessante o que o diretor faz com a derrocada da economia e do sonho americanos no filme. Ao mesmo tempo em que as citações à crise são poucas e sutis, o ambiente de poucas esperanças cerca a narrativa durante todo o momento. Estão lá as lutas clandestinas, as gangues, o tráfico de drogas, o bar decadente e tantos outros componentes. Nesse sentido, é simbólico o fato de Blaze trabalhar na indústria do aço (seguindo os passos de seu pai), em uma cidade que compõe a área conhecida como Rust Belt, tão economicamente degradada e cada vez menos favorável aos operários americanos. Daí o sentido do título em inglês, que, em tradução livre, seria "fora da fornalha", representando a ideia constante de abandonar a vida na fábrica e tentar algo melhor. Mas, aqui, o sonho americano não permite mudanças assim, tão fáceis, e Russel aconselha o irmão, dizendo que "não há nada de errado em trabalhar para viver". 

O titulo em português representa, de fato, a menor porcentagem do filme, o tal desejo de justiça – ou, mais adequadamente, de vingança. Rodney desaparece após participar de uma luta comandada pelo violentíssimo Harlen DeGroat (mais um da série de desajustados que Woody Harrelson sabe fazer tão bem), levando o irmão mais velho a uma caçada pelo bandido. As cenas de encontro entre os lados opostos surpreendem por não sucumbirem a clichês de bang-bang e levam a uma melancolia típica de tempos difíceis.

O filme conta ainda com pequenas e boas participações de Williem Dafoe, Zoe Saldana, Sam Sheppard e Forest Whitaker e tem Leonardo DiCaprio e Ridley Scott como produtores. Para completar, o Pearl Jam fez a bela canção "Release" especialmente para a obra. Os nomes mostram que o ator e diretor Cooper, com apenas dois longas, já consegue reunir figuras importantes para seus projetos autorais, dos quais também assina o roteiro. Não à toa, Johnny Depp estará em seu terceiro filme, com previsão de estreia para 2015.

"Tudo por Justiça" estreou nesta quinta-feira (27/3), nos cinemas brasileiros.
 

› FONTE: Macaé News (www.macaenews.com.br)


sem comentários

Deixe o seu comentário