Macaé News
Cotação
RSS

Petrobras eleva previsão de captações e busca reduzir vencimentos de curto prazo

Publicado em 13/08/2017 Editoria: Economia sem comentários Comente! Imprimir


Petrobras aumentou a previsão de captação de recursos neste ano com o objetivo de reduzir os volumes de vencimentos de dívidas em 2018, 2019 e 2020, ao observar oportunidades no mercado doméstico e considerando que o ambiente no próximo ano pode não ser favorável, devido às eleições presidenciais.

As previsões para captações de recursos em 2017 foram elevadas para US$ 13 bilhões, ante previsão anterior publicada em maio de 4 bilhões de dólares, informou a companhia nesta sexta-feira, durante teleconferência com analistas de mercado sobre os resultados da empresa no segundo trimestre.

Em conversa com analistas, o diretor-executivo da Área Financeira e de Relacionamento com Investidores, Ivan Monteiro, afirmou que todas as próximas captações deste ano devem ser realizadas no Brasil e que a estratégia de amortização da dívida deve permanecer como a adotada nas últimas operações.

A ideia é obter recursos para realizar pré-pagamentos de vencimentos mais curtos e alongando a dívida para períodos entre cinco e sete anos, segundo explicou Monteiro.

"A gente está com um nível de amortização (da dívida) bastante confortável para 2018..., mas a gente acha que deve (realizar amortizações) dado que 2018 é um ano eleitoral; e a gente acha que existem oportunidades e você deve esperar anúncios da companhia nas próximas semanas", afirmou Monteiro.

Na noite de quinta-feira (11), Monteiro afirmou em uma coletiva de imprensa sobre os resultados que há vencimentos de US$ 9,3 bilhões para 2018 e que a empresa vai trabalhar para uma redução entre US$ 1,5 bilhões e US$ 2 bilhões.

Os vencimentos atuais para 2019 somam US$ 16,7 bilhões, enquanto que os de 2020 somam US$ 12,6 bilhões, segundo dados da Petrobras.

O endividamento líquido da empresa caiu de R$ 314,120 bilhões ao final do ano passado para R$ 295,3 bilhões ao final do primeiro semestre. O indicador de dívida líquida/Ebtida ajustado ficou em 3,23 vezes, praticamente estável ante o primeiro trimestre (3,24 vezes).

Uma das fontes de financiamento neste ano será com um retorno ao BNDES, que irá somar R$ 2 bilhões, segundo Monteiro afirmou na quinta-feira. Desse volume, até R$ 1 bilhão será com a linha Finame, voltada para máquinas e equipamentos, e os demais para outras finalidades, disse o diretor.

"A gente não tem nenhum planejamento de captação no mercado internacional de capitais neste ano, neste momento, estamos em um processo de realização de... renda fixa no mercado nacional, o que muito nos alegra", afirmou Monteiro.

Em julho, a empresa informou que seu Conselho de Administração aprovou a emissão de até R$ 5 bilhões em debêntures simples, não conversíveis em ações.

Desinvestimento
Sobre os resultados, Monteiro frisou que a empresa permanecerá em busca de redução da dívida e que, para isso, irá acelerar o programa de desinvestimentos no segundo semestre. Ele disse que a empresa mantém a meta de obter US$ 21 bilhões com o programa de venda de ativos entre 2017 e 2018.

A empresa também permanecerá em busca de redução de custos e aumento da eficiência, principalmente na área de exploração e produção.

A Petrobras teve queda no lucro líquido do segundo trimestre, a R$ 316 milhões, em resultado abaixo do consenso do mercado devido a despesas bilionárias com a adesão a programas de regularização tributária, preços do petróleo ainda fracos, queda nas exportações e menores vendas domésticas.

O lucro líquido recuou 14,6% sobre os segundo trimestre de 2016 e 93% ante os três primeiros meses deste ano, com efeitos negativos de R$ 6,234 bilhões da adesão aos programas tributários conhecidos como PRT e Pert.

› FONTE: G1


sem comentários

Deixe o seu comentário

Digite as palavras abaixo: