Macaé News
Cotação
RSS

Partidos articulam nomes para a sucessão de Michel Temer

Publicado em 24/05/2017 Editoria: Política sem comentários Comente! Imprimir


Após as denúncias dos irmãos Batista, donos da empresa frigorífica JBS, contra Michel Temer, está cada vez mais distante a possibilidade do presidente terminar seu mandato no fim do ano que vem. Apesar de recusar a renúncia, Temer assiste de perto seus aliados e opositores dialogarem, especulando quais seriam os melhores nomes para a sua substituição. 

O agravamento da crise política fez o PSDB e o DEM intensificarem as articulações de bastidores na tentativa de barrar a possibilidade de eleição direta. Em conversas reservadas, dirigentes das duas siglas avaliam que, caso a coalizão de apoio a Temer não apresente uma alternativa de poder, o movimento por "diretas já" pode ganhar força, com "risco" de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltar ao Palácio do Planalto.

Nesta terça-feira, a base aliada conseguiu adiar a votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara do relatório favorável à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) das eleições diretas para o caso de vacância da Presidência. O projeto, mais tarde, foi retirado da pauta.

Desde a divulgação das delações da JBS, tucanos e outros aliados têm feito reuniões quase que diárias para discutir cenários de pós-Temer. Um deles, defendido por dirigentes do PSDB, do DEM e de uma parte do próprio PMDB, seria a renúncia do presidente com escolha de um sucessor que passe pela concordância do próprio Temer. O problema, nesse caso, é que o peemedebista não aceita renunciar e ninguém pretende pressioná-lo para que faça isso, ao menos por enquanto.

Partidos nanicos fazem campanha por Rodrigo Maia

Aliados do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), começaram uma campanha em defesa do nome do parlamentar como candidato a presidente da República em uma eventual eleição indireta, caso o presidente Michel Temer renuncie, seja cassado ou sofra impeachment. A candidatura dele já é defendida publicamente por líderes de partidos médios e nanicos e, nos bastidores, por lideranças de grandes partidos da base aliada e pela oposição.

"O momento ainda é de muita incerteza, mas o Rodrigo seria um bom candidato. Tudo que ele promete ele cumpre", afirmou Luis Tibé (PTdoB-MG) à reportagem. Líder do PEN, outro partido nanico como o PTB, o deputado Junior Marreca (MA) também defende a candidatura. "Defendo o Rodrigo como candidato. Ele tem conduzido a Câmara com tranquilidade e é a opção mais viável que existe hoje. Não tem outro nome", afirmou.

Uma eventual candidatura de Maia, que é alvo da Lava Jato, tem apoio até de deputados que já fizeram oposição ao parlamentar. "Se o presidente sair, acho que ele é uma boa alternativa. Ele tem condições de ser eleito", disse o deputado Paulo Pereira da Silva (SP), presidente do Solidariedade. Paulinho era um dos líderes do antigo "Centrão", grupo de siglas médias que disputava espaço na base com o grupo de Maia.

Chapa Dilma-Temer

&65279;Apesar das articulações, o PSDB pretende esperar o julgamento da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), previsto para o próximo dia 6, para só então resolver se continua ou não no governo.

"A ideia é ter prudência e, obviamente, um prazo para tomar a decisão", disse o deputado Ricardo Tripoli (SP), líder do partido na Câmara.

O deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, presidente do Solidariedade, disse que a manutenção de Temer no governo depende agora do Congresso. "Se as reformas andarem, Temer fica. Se não, o próprio mercado, que o sustenta hoje, pedirá para ele sair", afirmou o parlamentar.

Com o apoio de Psol, PDT, PCdoB, PT e Rede, a Ordem dos Advogados do Brasil marcou para a próxima quinta-feira a entrega à Câmara da denúncia com o pedido formal de impeachment do presidente Michel Temer. O documento será protocolado pelo presidente da OAB, Claudio Lamachia, e pelos conselheiros da entidade máxima da Advocacia. Caberá ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ) dar sequência ou não ao pedido.

A OAB alega que Temer cometeu crime de responsabilidade, em violação ao artigo 85 da Constituição, ao receber no Palácio do Jaburu, na noite de 7 de março - sem previsão na agenda oficial - o empresário Joesley Batista, acionista da JBS.

A conversa com Temer foi gravada por Joesley, que firmou acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República. O diálogo mostra Joesley fazendo uma narrativa de crimes, como o pagamento de mensalinho de R$ 50 mil para um procurador da República e mesada milionária para Eduardo Cunha (PMDB/RJ), em troca do silêncio do ex-presidente da Câmara. Cunha está preso.

Temer não nega ter recebido Joesley, a quem agora chama de "fanfarrão delinquente". O presidente alega que o áudio que o empresário entregou à Procuradoria foi "adulterado, manipulado"

O argumento central da Ordem não leva em conta se houve ou não edição da escuta. Segundo Lamachia, importa é que o presidente "ouviu crimes do fanfarrão delinquente e não tomou medidas cabíveis junto às autoridades competentes".

Com informações da Agência Estado

› FONTE: Macaé News (www.macaenews.com.br)


sem comentários

Deixe o seu comentário

Digite as palavras abaixo: