Macaé News
Cotação
RSS

"Acabou o caô, o Anthony chegou": baixinho levanta o Macaé e vira ídolo

Publicado em 06/04/2017 Editoria: Esporte sem comentários Comente! Imprimir


Agora, o Macaé Basquete terá pela frente uma pedreira nos playoffs

Agora, o Macaé Basquete terá pela frente uma pedreira nos playoffs

A ascensão incrível do time do Macaé Basquete nas últimas rodadas do Novo Basquete Brasil lembrou até algumas reações históricas de grandes equipes no Campeonato Brasileiro de futebol. O Fluminense de 2009, por exemplo, estava na lanterna e tinha 99% de chance de rebaixamento. Era preciso uma sequência de resultados de campeão para reverter o quadro. E aconteceu. Foram seis vitórias e um empate em sete jogos. No caso da equipe macaense, que correu até risco de queda para a Liga Ouro (Caxias do Sul acabou sofrendo o descenso), foram cinco vitórias e duas derrotas nas últimas sete partidas. A força da torcida, que lotou o ginásio Juquinha nos jogos em casa, ajudou muito. Em quatro embates, foram três vitórias (a derrota para o Flamengo foi por apenas dois pontos de diferença).

Menor que Isaiah Thomas, baixinho do Macaé rouba a cena: "Não pareço jogador de basquete"
Dentro de quadra, o time de Léo Costa, todo reformulado da última temporada para 2016/2017 (apenas o jovem Matheuzinho, da base, seguiu no elenco), mostrou ter um jogo coletivo forte nessas últimas sete partidas, e teve alguns heróis, como Rafa Moreira, que passou a ter mais minutos em quadra, e Schneider, quarto melhor em bolas de três convertidas com 2,4 por partida. Mas um deles em particular chamou a atenção. Trata-se do armador americano Kendall Anthony.

E não foi só por sua altura (ele diz ter 1,73m, o site da Liga Nacional de Basquete afirma que é 1,75m. Mas basta uma breve observação ou até mesmo parar ao seu lado para reparar que o armador é ainda mais baixinho. Até o treinador, quando perguntado, brinca e diz que acha que ele tem menos de 1,70m: "1,73m? Só se for com um tênis e duas meias"). Em sua primeira temporada no Brasil, o jovem de 24 anos fechou a primeira fase do campeonato como o cestinha, com 19,9 pontos por confronto; segundo melhor em lances livres, com 5,8 certeiros por duelo; e segundo melhor em assistências, com 5,8 por embate. É o primeiro jogador da história do NBB a conseguir ficar no top 5 tanto de pontos como de assistências.


No último confronto da temporada regular do NBB, um duelo direto contra o Minas Tênis Clube que valia a vaga nos playoffs ao vencedor, o armador teve atuação de gala. Ele foi o cestinha, marcando 20 pontos, e quase conseguiu um duplo-duplo, tendo dado nove assistências. No fim das contas, a confirmação da classificação após a vitória por 99 a 65 coroou o "Allen Iverson Turco" - apelido que ganhou em sua passagem de destaque pelo basquete da Turquia. A torcida foi ao delírio no ginásio Juquinha e até cantou uma música para o jogador: "Acabou o caô, o Anthony chegou", uma versão da canção entoada nas arquibancadas pelos torcedores do Flamengo no início da passagem de Paolo Guerrero pelo clube, em 2015 (assista ao vídeo acima com um compilado de lances, e os gritos dos fãs macaenses).

O mais bacana é que Kendall Anthony, apesar do sucesso, se mostra bastante pé no chão e prefere destacar o coletivo do que suas próprias atuações. E ele tem razão em fazê-lo, pois a filosofia do técnico Léo Costa passa por isso. Para se ter uma ideia, no último jogo contra o Minas na primeira fase do NBB, toda a equipe pontuou. Ao ouvir a paródia da música de Guerrero sendo cantada pela torcida macaense, ele se divertiu, já que é fã do funk.

- Estou honrado de ter uma música cantada pela torcida, é uma bênção e estou muito contente de alcançar nosso objetivo como um time. Fizemos isso tudo pela torcida. Me senti bem, tivemos um grande jogo e todo mundo contribuiu para essa grande vitória (sobre o Minas e por conta da classificação). Eu estou feliz que vencemos pelos fãs que vieram nos apoiar, estão nos apoiando por toda a temporada. Estou animado de chegar aos playoffs e ansioso para enfrentar o Bauru - relatou Anthony, exaltando o jogo coletivo e a torcida - finalizou o jogador.

Agora, o Macaé Basquete terá pela frente uma pedreira nos playoffs. O adversário que caiu no chaveamento é o Bauru, que terminou a temporada regular na quinta colocação e é tido como favorito. O primeiro jogo da série melhor de cinco jogos será na quarta-feira, às 19h (de Brasília). E os principais trunfos são a força da torcida no ginásio Juquinha, o jogo coletivo do time de Léo Costa e, é claro, a técnica de Kendall Anthony. Se avançar nas oitavas, a equipe de Macaé terá pela frente um outro rival de peso, o Brasília, que terminou a primeira fase em quarto.

› FONTE: G1


sem comentários

Deixe o seu comentário

Digite as palavras abaixo: