Macaé News
Cotação
RSS

Rio pretende vacinar todos municípios contra febre amarela

Publicado em 12/03/2017 Editoria: Saúde sem comentários Comente! Imprimir


A decisão da secretaria foi tomada após a notificação da presença de macacos infectados com a doença em municípios no limite do estado do Rio de Janeiro com o estado de Minas GeraisDivulgação/Prefeitura de Pitangueiras (SP)

O Rio de Janeiro pediu ao Ministério da Saúde para que o estado seja incluído na área de recomendação de vacina contra febre amarela. Até agora, não houve registro da doença em humanos no seu território, mas a intenção da Secretaria de Estado de Saúde (SES) é expandir a estratégia de vacinação como medida preventiva, que já vem sendo adotada em 30 municípios localizados nas divisas os estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, onde houve casos confirmados da doença. Com a campanha, todos os municípios do estado passarão a ser atendidos, alcançando o número de 92 cidades. Na campanha, não serão vacinados bebês com idades abaixo de 9 meses e pessoas com mais de 60 anos.

“A gente tem o restante dos municípios, que na verdade são os maiores, porque engloba a região metropolitana do estado do Rio”, informou o subsecretário de Vigilância em Saúde da SES, Alexandre Chieppe.

Segundo o subsecretário, a decisão da secretaria foi tomada após a notificação, na semana passada, da presença de macacos infectados com a doença em municípios no limite do estado do Rio de Janeiro com o estado de Minas Gerais. Além disso, na região sudeste, o estado é o único que não faz parte da área de recomendação de vacinação. “Nós optamos por fazer uma vacinação programada, responsável, tranquila, para imunizar gradativamente  10 milhões ou 11 milhões de pessoas",  informou.

Os municípios devem organizar as campanhas conforme as capacidades operacional e de armazenamento de cada um. A secretaria espera que 1,5 milhão de pessoas sejam imunizadas por mês, para atingir 90% da cobertura até o fim do ano. “A expectativa é que a gente comece dentro de 17 dias. Cada município tem uma característica, uma logística diferente. A gente vai respeitar estas questões porque não temos  registros de casos em humanos, no Rio de Janeiro," destacou.

A expectativa dos órgãos de Saúde é de que toda a população do estado, excluídas as contraindicações, seja imunizada até o fim deste ano. Pelos cálculos da SES, serão necessárias cerca de 12 milhões de doses. Desse total, 3 milhões já foram solicitadas ao Ministério da Saúde e devem estar à disposição da secretaria em 15 dias. “A gente fez uma solicitação inicial de 3 milhões de doses. Isto pode até vir de forma escalonada. Não tem problema nenhum”, afirmou.

Chieppe alertou que não precisa correr aos postos de saúde em busca da vacina contra a febre amarela. O subsecretário disse que as pessoas que vão viajar para áreas com ocorrência da doença em humanos devem se vacinar, preferencialmente, com dez dias de antecedência. Mas esta não é a situação dos moradores que permanecerão na cidade. " É diferente quem mora no Rio de Janeiro e não tem viagem programada. As pessoas podem se vacinar com calma. Não há necessidade alguma de ir aos postos para se vacinar correndo, até porque, hoje, a vacina que os postos têm é para o atendimento da rotina dentro do que estava definido para quem vai viajar”, apontou.

A subsecretaria de Vigilância em Saúde orientou que os 92 municípios do estado que terão a campanha adotem uma nova definição para casos suspeitos da doença. Para facilitar que haja uma detecção precoce, as prefeituras devem intensificar a vigilância por meio da notificação de todo caso suspeito. As notificações, para fins de investigação de indivíduos com febre até sete dias de duração devem ser acompanhadas dos seguintes sinais e sintomas, como dor de cabeça, mialgia, artralgia, vômitos, icterícia e manifestações hemorrágicas. A recomendação vale tanto para residentes ou para quem procede de áreas de transmissão de febre amarela nos últimos 15 dias.

Contraindicações

De acordo com a SES, as contraindicações para a vacina são para gestantes, mulheres que estejam amamentando, pessoas com alergia a algum componente da vacina, a ovos e derivados; quem está com doença febril aguda, com comprometimento do estado geral de saúde; ou pacientes que nasceram com doenças que causam alterações no sistema de defesa, ou as adquiriram durante a vida. Além disso, pessoas que estejam sob terapias imunossupressoras, como quimioterapia e doses elevadas de corticosteroides, as que têm Lúpus Eritematoso Sistêmico ou outras doenças autoimunes. Os pacientes que tenham apresentado doenças neurológicas de natureza desmielinizante, como Síndrome de Guillain Barrè e ELA, no período de seis semanas após a aplicação de dose anterior da vacina e pacientes transplantados de medula óssea; pacientes com histórico de doença do Timo; pacientes portadores de HIV, não devem ser receber a vacina .

Crianças

As crianças menores de seis meses até dois anos de idade que não tenham sido vacinadas contra febre amarela não devem receber as vacinas tríplice viral ou tetra viral junto com a vacina contra a doença. O intervalo entre as vacinas deve ser de 30 dias. Conforme a secretaria, se a criança tiver alguma dose do calendário de vacinação em atraso, ela pode tomar junto com a de febre amarela desde que não sejam a tríplice e nem a tetra viral. As crianças que não receberam nenhuma destas três vacinas e forem atualizar sua situação vacinal, a recomendação é para que elas recebam a primeira dose contra febre amarela e com intervalo de pelo menos 30 dias, devem ser agendadas a vacinação com tríplice viral ou tetra viral.

“Os postos já estão cientes dessa interação e não é possível que estas vacinas sejam tomadas juntas. Os pais devem saber distao. Os postos têm que avaliar as contraindicações”, completou.

› FONTE: Macaé News (www.macaenews.com.br)


sem comentários

Deixe o seu comentário

Digite as palavras abaixo: