Macaé News
Cotação
RSS

Macaé adere a mudanças no Calendário Nacional de Vacinas 2017

Publicado em 07/03/2017 Editoria: Saúde sem comentários Comente! Imprimir


Para garantir imunização de crianças, adolescentes e adultos, o Ministério da Saúde fez algumas mudanças no Calendário Nacional de Vacinação. Em Macaé, as vacinas já estão disponíveis nas unidades de saúde onde o serviço é oferecido.

As alterações são em seis vacinas: tríplice viral, tetra viral, dTpa adulto, HPV, Meningocócica C e hepatite A. A coordenadora municipal de Imunização, Luciana Santos, ressalta que é importante a população ficar atenta às modificações e manter o cartão de vacinação atualizado.

Ele lembrou ainda que algumas mudanças começaram em janeiro com vacinação contra o HPV para meninos de 12 e 13 anos e a vacina meningocócica C (conjugada) para adolescentes também de 12 a 13 anos.  

De acordo com o Ministério da Saúde, atualmente são ofertadas gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS) 19 vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), beneficiando todas as faixas etárias. Por ano, são disponibilizados pela rede pública de saúde de todo o país, cerca de 300 milhões de doses de imunobiológicos para combater cerca de 20 doenças.  

Veja as alterações do calendário:

HEPATITE A – A vacina hepatite A passa a ser disponibilizada para crianças até cinco anos. Antes, a idade máxima era até dois anos.

TETRA VIRAL (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) – Passa a ser administrada para crianças de 15 meses até quatro anos. Antes era administrada na faixa etária de 15 meses a menor de dois anos de idade.

HPV – Passou a ser ofertada este ano para meninos de 12 e 13 anos. Desde 2014, a vacina é oferecida para meninas de nove a 13 anos. Agora, o público-alvo incluirá também meninas de 14 anos. Ainda para este ano, além dos meninos, a vacina também será oferecida para homens vivendo com HIV e Aids entre nove e 26 anos de idade, e para imunodeprimidos, como transplantados e pacientes oncológicos. Desde 2015, as mulheres (9 e 26 anos) que vivem com HIV/Aids recebem a vacina.

MENINGOCÓCICA C – O Ministério da Saúde também passou a disponibilizar a vacina meningocócica C (conjugada) para adolescentes de 12 a 13 anos. A faixa etária será ampliada, gradativamente, até 2020, quando serão incluídos crianças e adolescentes com nove anos até 13 anos.

dTpa ADULTO – A vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) tipo adulto passa a ser recomendada para as gestantes a partir da 20ª semana de gestação. As mulheres que perderam a oportunidade de serem vacinadas durante a gestação, devem receber uma dose de dTpa no puerpério, o mais precoce possível. Com essa medida, o Ministério da Saúde busca garantir que os bebês possam nascer protegidos contra a coqueluche, por conta dos anticorpos que são transferidos da mãe para o feto, evitando que eles contraiam a doença até que completem o esquema de vacinação com a vacina penta, o que só ocorre aos seis meses de idade.

TRÍPLICE VIRAL (sarampo, caxumba e rubéola) - A alteração se deu com a introdução da segunda dose para a população de 20 a 29 anos de idade. Anteriormente, a segunda dose era administrada até os 19 anos. A adoção do esquema de duas doses para esse grupo contribuirá na redução de casos da doença. Deste modo, duas doses contra sarampo, caxumba e rubéola passam a ser disponibilizadas para pessoas de 12 meses até 29 anos. Para os adultos de 30 a 49 anos permanece a indicação de apenas uma dose de tríplice viral.

› FONTE: SECOM


sem comentários

Deixe o seu comentário

Digite as palavras abaixo: