Macaé News
Cotação
RSS

CCZ de Macaé combate caramujo africano

Publicado em 10/03/2014 Editoria: Saúde sem comentários Comente! Imprimir


O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Prefeitura de Macaé está realizando ações de combate ao caramujo africano. O trabalho nesta segunda-feira (10) foi realizado na Rua Tupinambás, no bairro da Glória. Agentes de combate a endemias atuam no combate ao molusco na cidade, por meio de comunicados da população que podem ser feitos pelos telefones: (22) 2772-6461 e (22) 2796-1186.

 

O controle populacional dos caramujos africanos é feito pelo Centro de Controle de Zoonoses através da aplicação de iscas moluscicidas em terrenos baldios e imóveis que apresentem infestação. Essa isca não é nociva ao meio ambiente e é resistente ao contato com a água. Basta uma aplicação que em 48 horas, ocorre a morte de todos os caramujos da colônia.

O CCZ ressalta que após a morte dos caramujos, os donos dos imóveis têm de remover as cascas (conchas) dos moluscos para que não ocorra o acúmulo de água e acabe favorecendo o desenvolvimento de larvas de Aedes aegypti, vetor da dengue.

De acordo com o coordenador do CCZ, Ramon Bouças, o caramujo africano tornou-se uma praga em quase todos os estados brasileiros. Trazidos como opção para uso em gastronomia, não foram bem aceitos devido ao sabor forte e não agradável. Com isso, muitos criadores do molusco fizeram o descarte indevido desses animais, favorecendo a sua procriação indiscriminada.

O “Achatina fulica”, nome científico do caramujo africano, é encontrado em terrenos úmidos (não muito encharcados), e tem hábitos noturnos. É resistente a temperaturas elevadas e a longos períodos de estiagem. Em ciclos de oito meses, cada caramujo coloca de 300 a 1000 ovos.

Os moluscos adultos podem medir de 15 a 20 cm, pesando em torno de 500 g cada um. Os caramujos africanos vivem  até dez anos. Causam grandes prejuízos econômicos, pois alimentam-se de hortaliças, plantas ornamentais nativas, entre outras.

Além disso, causam transtornos de saúde, podendo transmitir a Angiostrongilíase Abdominal e a Meningite Eosinofílica, enfermidades provocadas por nematódeos (vermes) carregados pelo molusco. A transmissão pode se dar pela ingestão do caramujo ou pelo contato oral com suas secreções.

› FONTE: Macaé News (www.macaenews.com.br)


sem comentários

Deixe o seu comentário