Macaé News
Cotação
RSS
Acosta e seu blog - Por Acosta

Acosta e seu blog Por Acosta

Acosta e seu blog - Por Acosta

Foi eleito pela vontade do povo...

Publicado em 17/11/2020 3 comentários Comente!


Vi uma postagem de um irmão que diz o seguinte: “Foi eleito pela vontade do povo”, referindo-se a um candidato do pequeno município em que ele se encontrava e ou/ trabalhou na campanha. Sim, é a vontade do povo que elege os seus representantes em cada cidade brasileira. Se eleger bem colherá os frutos das melhores políticas públicas destinadas ao desenvolvimento socioeconômico e ambiental do município pelos próximos quatro anos, porém, se escolher mal também obterá todos os bônus das ações de um mal administrador dos recursos públicos que não saberá conduzir com responsabilidade os bens e serviços como a proteção do patrimônio histórico-cultural, pavimentação de ruas, garantia do bom funcionamento do transporte público e o trânsito urbano, prover de creches, pré-escolas e o ensino fundamental, e manter a atenção primária ao atendimento de saúde, entre outros.

Bem a propósito, essa reflexão me remeteu a uma realidade aqui bem próxima. Trata-se de uma cidade pequena que foi desmembrada de Macaé e que, desde a sua emancipação político-administrativa (1995) sofre, há 25 anos, com o descaso público. Entra prefeito e sai prefeito e a cidade permanece como um ponto de parada do transporte intermunicipal entre Macaé e Quissamã. Sim, essa cidade é Carapebus!

A história da cidade conta que após sua emancipação político-administrativa, decretada pela Lei Estadual n° 2.417, de 19 de julho de 1995, o primeiro prefeito eleito de Carapebus foi Eduardo Nunes Cordeiro, que tomou posse em 1 de janeiro de 1997. De lá para cá e como acontece em grande parte da maioria dos municípios, o poder público municipal trocou de mãos algumas vezes, no entanto, as dinastias oligárquicas insistem em querer permanecer e quando não passam de pai para filhos, passam para esposos para esposas.

O próprio Cordeiro reinou em dois mandatos seguidos (de 1997 a 2004), em seguida Rubem Vicente administrou de 2005 a 2008. Depois o presidente da Câmara, Sebastião Bessa ficou por um ano e meio no governo municipal. Houve novas eleições e Amaro dos Santos foi eleito, permanecendo de 2010 a 2016, e, por último, Christiane Cordeiro (esposa de Eduardo Cordeiro), assumiu o mandato em 2017, que finda agora em 2020. Ela, inclusive lançou-se candidata neste último pleito (2020) e obteve a maioria dos votos, mas, seus votos não foram validados porque a atual prefeita está ‘sub judice’ e aguarda decisão da Justiça Eleitoral. Isso poderá ocasionar a realização de um pleito suplementar... Quanto ao seu esposo que recentemente estava no comando da secretaria de governo, foi afastado da função. Ele foi condenado por ato de improbidade administrativa quando era prefeito do município, no caso de desvio de verbas para execução do Programa Morar Melhor – Saneamento Básico.

Percebe-se, no caso específico de Carapebus, que além de algumas práticas corruptivas e sede do poder por parte de algumas famílias, até houve alternância no poder, mas a cidade parou de crescer nos últimos 16 anos. Os serviços públicos estagnaram e o que se vê é a Prefeitura como maior empregador, comprometendo inclusive a folha de pagamento mensal que, nestes últimos três meses, não pagou os salários dos seus servidores. Sem contar que a saúde não funciona, a cidade não tem transporte coletivo, os serviços de saneamento inexistem, não há boas creches, entre tantos problemas básicos de uma cidade com mais de 16 mil habitantes.

De fato, a escolha é do povo... Cada cidadão é soberano em suas decisões e se utilizar seu voto para eleger corrupto irá permanecer com sua cidade na mesmice, sem o crescimento devido. Agora, se utilizar seu voto elegendo políticos de ficha limpa e representantes de uma conduta aceitável que existem em todos os campos políticos (basta procurar), o próprio cidadão pode fazer com que o Poder Executivo deslanche o desenvolvimento de sua cidade. Por isso, é preciso dizer não ao voto comprado pelo político corrupto que oferece vantagens passageiras, com o fim de perpetuar no poder e que não se preocupa em buscar os benefícios para todos. O voto sempre foi e será a grande arma do povo para mudar a política e os rumos de um município. Se usar bem irá usufruir dos lucros (leia-se desenvolvimento socioeconômico e ambiental) se usar mal irá amargar um retrocesso por anos a fio. É você quem escolhe... E Carapebus escolheu o continuísmo!!!

______________________

Jornalista Lourdes Acosta

DRT/MTE 911/MA.

Macaé, 16/11/2020.

 

Acosta e seu blog

Por Acosta

3 comentários

Deixe o seu comentário