Macaé News
Cotação
RSS
Dimensão Arquitetura - Por Luis Paulo Guimarães

Dimensão Arquitetura Por Luis Paulo Guimarães

Dimensão Arquitetura - Por Luis Paulo Guimarães

Espaços Montessoris

Publicado em 12/10/2019 sem comentários Comente!

Estilo de quarto montessoriano - Fonte: Viva Decora

Estilo de quarto montessoriano - Fonte: Viva Decora

Olá crianças de todas as idades! Hoje é o nosso dia! Parabéns às crianças de todas as idades e que todas tenham a oportunidade de ser realmente crianças, brincar, aprender, estudar e tudo aquilo que façam crescer com a esperança no olhar.

Hoje vamos aprender um pouco mais sobre espaços montessorianos. O que é isso afinal? Antes de falar o que é um espaço montessoriano, eu preciso falar um pouquinho de Maria Montessori (1870-1952). Mulher italiana, primeira médica na Itália e segunda da Europa. Enfrentou o fascismo de Mussolini, enfrentou a condição de ser mãe solteira, sofreu oposição do pai ao decidir ser médica, e aos poucos migrou a carreira para a educação. Seu método educacional acolhe crianças que haviam sido negadas pelas escolas públicas italianas, crianças que não se tinham mais esperança que iriam aprender. A Montessori consegue provar que havia métodos de trabalhar o desempenho e desenvolvimento das crianças e os resultados comprovavam isso.

Montessori rompe com a ideia de que a criança é um adulto em miniatura. As crianças são sujeitos que devem ser olhados em sua própria perspectiva.

A começar pela sala de aula, as crianças trabalham principalmente em tapetes no chão. Pela sala há materiais relacionados ao dia a dia das crianças, materiais sensoriais e também o material escolar, como o material de alfabetização. Esse método tem por principio deixar que as crianças tenham a liberdade de desenvolver o seu próprio potencial com o seu próprio tempo, sentindo-se confortáveis para realizar tarefas conforme queiram ou consigam, deixando o professor acessível quando ela assim interpelar.

Propriamente falando em arquitetura em aspectos residenciais, a arquitetura montessoriana visa trazer à tona a autonomia natural e instintiva das crianças, dando a possibilidade delas fazerem atividades por conta própria, com grau maior ou menor de assessoria de adultos, seja pela idade da criança, seja pela atividade e claro, quando a criança pedir.

A arquitetura montessoriana é utilizada basicamente nos quartos infantis, mas não se restringe apenas a esse espaço. De modo geral a arquitetura montessoriana coloca o mobiliário ao alcance das crianças, assim, a cama montessoriana fica geralmente ao chão, então a criança sobe e desce quando tem vontade, utiliza os brinquedos, estuda – tudo conforme sua vontade.

Demais ambientes como uma sala podem ser colocadas cadeiras pequenas para que a criança sente, evitando que ela sente no sofá e fique com a perna esticada. Em um banheiro por exemplo o shampoo, o sabote, condicionador devem ficar em banquinho ou mesmo na mão. As vezes o sabonete pode ser cortado em forma de ampulheta para facilita que a criança consiga pegar com mais facilidade. Montessori também estimula que se ensine as crianças a se secar sozinhas, então, é possível através de ventosas ir fixando toalheiro ao alcance dos pequenos à medida em que crescem.

As instalações hidráulicas como as pias e vasos sanitários talvez sejam um pouco mais complicados para se instalar peças exclusivas para as crianças, mas nesse caso é possível utilizar bancos para que os pequenos acessem ao sabonete, a pasta de dente, a escova. Do vaso sanitário, as crianças podem utilizar o penico ou mesmo o próprio vaso, acessando através de bancos – cabe ressalvar que se indica o uso de panos e baldes por que os menores ainda não têm tanto controle e podem acabar sujando. Pode ser deixar cueca ou calcinha para que a criança mude caso precise. Não custa reforçar que nada deve ser forçado – a criança tem que se sentir confortável para realizar as ações e cada vez que ela pedir ajuda o adulto deve se dispor a ajudá-la. 

A cozinha também é um espaço que pode comportar o uso montessoriano. A pedagoga estimula que não haja copos plásticos – devem ser usados copos de vidro ou de metal – a ideia aqui é a interação com correção. Se a criança bebe um suco ou água com um copo de plástico e deixa cair, isso deve ocorrer outras vezes, já que o copo de plástico não faz barulho, não assusta – diferente por exemplo do copo de metal, que vai provocar mais barulho e fazê-la perceber e corrigir a ação.

Na mesa de refeição se indica o uso de toalhas claras, assim então, derrubando alimentos as crianças tem a percepção e corrigem seus próprios atos. Também vale a pena ter de fácil acesso a água que a criança queira beber – no início a criança pode derrubar um pouco de água, e com o passar do tempo isso deve melhorar. Igualmente como no banheiro vale ter um pano ou uma vassourinha para elas limpem. Certamente vale como aprendizado e também geralmente as crianças gostam de poder sentirem-se uteis na casa (coloco aqui a minha experiência de lavar louça, desde seis ano de idade).

Também é possível colocar na prateleira mais baixa da geladeira os alimentos próprios da criança, contudo, não significa que ela vai pegar quando bem quiser – significa que na hora que ela puder ela vai pegar sozinha, com a supervisão de um adulto. Existem banquinhos, cadeiras onde a criança pode acompanhar os adultos, assim ela pode ir na pia, lavar a fruta e também acompanhar os adultos nas atividades e se familiarizar. O uso de facas deve ficar restrito para as crianças mais velhas.

Outro ambiente que pode ser pensado para as crianças é a varanda. Montessori sugere o uso de cavalete e tintas para que as crianças possam pintar. Vale também colocar vasos com temperos e plantas para as crianças explorarem.

As mobílias da casa quando possível devem ser leves – se as crianças baterem vão perceber que o móvel se mexa, ajudando-a no autocontrole.

Também é indicado deixar disponível folhas e alguns lápis – sem exageros para que a criança sempre possa desenhar.

Vale ressaltar que se você decidir aplicar o método Montessori na sua casa que as coisas devem acontecer de modo devagar na adaptação da casa. Deve-se mostrar que como virar a água no copo, como carregar o prato com as duas mãos; depois pode-se ir para outra etapa, com o uso do banheiro por exemplo – tudo, claro, respeitando o tempo e o interesse das crianças.

 

 

 

Dimensão Arquitetura

Por Luis Paulo Guimarães

Classificados

+ anúncios

sem comentários

Deixe o seu comentário