Macaé News
Cotação
RSS
Acosta e seu blog - Por Acosta

Acosta e seu blog Por Acosta

Acosta e seu blog - Por Acosta

Pingos e respingos...

Publicado em 14/09/2018 sem comentários Comente!


Em tempo de eleição presidencial...

Os presidenciáveis Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB) usaram a propaganda eleitoral no rádio na quinta-feira (13), para defender propostas na área da segurança pública. Já Ciro Gomes (PDT) e Henrique Meirelles (MDB) falam em gerar empregos e reaquecer a economia do país. A presidenciável da Rede falou sobre os jovens que vão votar pela primeira vez dizendo que “eles não querem perder direitos e que não acreditam que violência se resolva com mais violência”. O programa do tucano Alckmin (PSDB), apresenta relatos de paulistas que sobreviveram a atos de violência, como tentativa de assalto e estupro, para exaltar os números da segurança pública no estado governado por ele nos quatro mandatos. Ele promete criar o GPS (Grupo de Políticas de Segurança) para atuar junto às polícias estaduais e uma guarda nacional que vai ajudar o Exército e atuar na vigilância das fronteiras. Por sua vez, Ciro Gomes destaca promessas para gerar empregos, melhorar a economia, limpar o nome de quem está no SPC, levar cursos profissionalizantes para o ensino médio e convida o eleitor a visitar seu site. Já o programa de Meirelles, com um fundo musical animado, diz que o candidato é quem fez o Brasil crescer durante o governo Lula e gerar 10 milhões de empregos. Com informações da Folhapress.

Colapso na saúde macaense I

Colapso do sistema municipal de Saúde une vereadores de oposição e da base governista do prefeito numa mesma linguagem. A nova troca de titularidade da secretaria de Saúde de Macaé, em menos de dois anos, foi responsável em gerar unanimidade entre os edis. Na sessão ordinária do Legislativo realizada na última terça-feira (11), o tema central foi a exoneração de Gustavo Gusmão, que respondia pela secretaria há pouco mais de três meses, sendo substituído pelo controlador geral da prefeitura, Luiz Carlos, que irá acumular as duas funções. Sob protestos, o líder da Frente Parlamentar Macaé Melhor, Maxwell Vaz (SD), questionou como poderia o controlador acumular a função de secretário colocando em risco jurídico o governo. “Essa medida coloca em risco jurídico o governo. Ele exerce uma função muito técnica que requer uma dedicação quase que exclusiva. E a Saúde merece uma atenção melhor, porque está em situação precária”, ressaltou Maxwel.

Colapso na saúde macaense II

Outro vereador oposicionista que comentou o caso foi o vereador Luiz Fernando (PTC). “Em menos de dois anos, três secretários passaram pela pasta, inclusive o prefeito. Quase R$ 600 milhões são gastos, e nem por isso, melhorou o atendimento no HPM, PSF fechados. As duas UPAs que atendiam à população com remédios e exames estão sem qualidade no atendimento. Para onde está indo o dinheiro da Saúde? O que está acontecendo nesta secretaria que não para ninguém? O prefeito vigia a própria sombra, porque não confia em ninguém!”, salientou.

Colapso na saúde macaense III

Na mesma posição, os vereadores da situação, Eduardo Cardoso (PPS), presidente da Câmara e Márcio Bittencourt (MDB) também criticaram. Os dois apontaram os problemas crônicos. “O Controlador é o que diz não. E ele vai dizer não para ele mesmo? Acho que já mudou tanta gente, que não tem mais quem colocar? O rapaz poderia ser sério e trabalhador, mas não servia para ser secretário de Saúde, pois precisa saber o que é vacina, o que é urgência e emergência e o que é atendimento de ponta”, criticou Eduardo. Já Márcio Bittencourt alertou para o que é nocivo na saúde: “O secretário de Saúde precisa entender da parte básica, o que é o SUS. Hoje vemos que as licitações não estão acontecendo, e isso quando ocorre na Saúde, ocorre a morte e o desabastecimento em massa no Hospital, que é nocivo. É preciso que esses processos licitatórios andem”, advertiu.

Macaé tem educação inclusiva!

Dos 40 mil estudantes da rede de ensino municipal, somente 814 (2%) apresentam laudo específico e são atendidos na Educação Especial. A cidade de Macaé que oferece educação infantil, maternal I e II (dois e três anos), pré-escolar I e II (quatro e cinco anos), ensino fundamental (1º ao 9º ano), educação de jovens e adultos (EJA) e Ensino Médio (CAP), conta ainda, com 51 salas de recursos multifuncionais e 10 salas de Apoio Pedagógico Específico (APE). Os espaços recebem nos horários divergentes aos de aula, estudantes do 1º ao 5º ano, que apresentam transtornos de aprendizagem, emocionais ou de comportamento da infância e adolescência. O município também conta com alunos que estão em processo de avaliação (parecer pedagógico do professor do Atendimento Educacional Especializado (AEE) ou laudo clínico. O AEE assiste estudantes que apresentam deficiências físicas e múltiplas, autismo, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação. O foco  é assegurar a inclusão escolar, garantindo o acesso e a permanência de todos os alunos...

__________________________

Macaé, 14 de setembro de 2018.

Jornalista Lourdes Acosta

acosta.lou@gmail.com

 

Acosta e seu blog

Por Acosta

Classificados

+ anúncios

sem comentários

Deixe o seu comentário