Macaé News
Cotação
RSS
Dimensão Arquitetura - Por Luis Paulo Guimarães

Dimensão Arquitetura Por Luis Paulo Guimarães

Dimensão Arquitetura - Por Luis Paulo Guimarães

Cozinha, espaço democrático dos lares.

Publicado em 05/05/2017 1 comentário Comente!

Bela cozinha com um toque contemporâneo e clássico.

Bela cozinha com um toque contemporâneo e clássico.

 

Saindo do forno mais uma edição. Aliás, quase propriamente saindo do forno. Um dos ambientes mais badalados da casa, a senhora – cozinha. Berço democrático dos lares a cozinha tem cada vez mais ganhado destaque nas casas, esta que outrora costumava ficar confinada após a sala de estar ou jantar se transforma em uma extensão destes, e vice-versa.

Bom, não que os arquitetos tenham deixado de projetar cozinhas que fiquem isoladas, tudo dependerá do programa traçado e do gosto do cliente, mas a verdade é que como bons anfitriões o conceito de cozinha americana, aberta para a sala ajuda naquelas conversas, na socialização; enquanto o pessoal vai petiscando, vai conversando, bebericando uma coisinha e outra.

Um porém talvez que algumas pessoas não queiram optar por esse modelo de cozinha talvez esteja ligado principalmente a duas questões – um: o cheiro dos alimentos, principalmente quanto ao cheiro de fritura, pois bem, seus problemas acabaram, parafraseando um sábio, enfim, há algumas opções que minimizam isso, alguns exaustores de ar, coifas e depuradores. A primeira opção faz a troca do ar quente do ambiente pelo ar frio do lado de fora. O exaustor é instalado a 2,5m do chão e quando ligado o motor aciona a hélice que faz jogar o ar quente para fora da cozinha. A capacidade do exaustor remover a gordura é menor do que das coifas.

As coifas por sua vez são divididas em duas versões. A versão de parede ou a versão para ilhas. As coifas instaladas no modo exaustor expulsam o ar quente para fora da cozinha, já no modo depurador, captura o ar quente e também a gordura, fazem a filtragem e devolvem ar limpo para o ambiente.

O depurador é indicado para cozinhas pequenas, onde não se tem o espaço para colocar a chaminé. O depurador é responsável por reciclar o ar e devolvê-lo mais limpo para o ambiente. A potência do depurador é menor do que nas coifas e nos exaustores, mas também o preço é mais acessível. No depurador a gordura retirada do ar fica presa em uma grade inox, e por isso é importante realizar a limpeza para que não se diminua a capacidade e também não haja mal cheiro na cozinha.

A segunda questão a apontar é a bagunça. Muita gente talvez tenha a percepção de que um espaço aberto pode revelar aquelas panelas, tigelas, enfim, tudo o que talvez queiram deixar longe, principalmente das visitas. A solução para essa questão é variada. Primeiramente entendendo a viabilidade de ter uma cozinha integrada; talvez o perfil das pessoas que vivem no local indica que uma cozinha mais tradicional deva ser o partido do projeto, agora, se há o desejo dos clientes e também existe a viabilidade algumas distribuições são possíveis ser feitas para se evitar ou reduzir que a bagunça fique exposta, mas essa distribuição vai ficar a cargo do arquiteto ou arquiteta que você irá contratar, por que há diversas variáveis para isso.

O que mais pode ser levado em consideração quando se pensa em criar uma cozinha integrada?

Algumas pessoas gostam de ter uma adega em casa, então é muito bacana ter um espaço de transição entre a sala de estar e a cozinha, e a adega cabe perfeitamente numa transição assim, complementarmente a esta uma bela bancada serve como uma quebra na visão de panelas, pratos e toda parafernália da cozinha, além, claro de servir de anteparo para o convívio social, enquanto o/a mestre cuca está cozinhando, os amigos estão naquela resenha.  Há outras opções além da adega. Vale uma estante expondo troféus, peças de viagens, relíquias de família, ou qualquer outra coisa que a imaginação permitir.

As outras dicas que gostaria de falar são válidas para todas outras cozinhas. A iluminação precisa ser feita de forma que não crie sombra na área de preparo dos alimentos. O ideal é utilizar a luz branca. Na área da bancada podemos utilizar luminárias específicas para focar nos alimentos e nos eletrodomésticos, estas luminárias podem estar no teto ou embutidas. Você pode ter um diferencial muito bonito através de pendentes em cima da mesa ou área de bancada das refeições

Outra coisa importante para as cozinhas está relacionada ao revestimento. Tratando-se da segurança, os revestimentos recebem uma classificação chamada PEI – que indica a resistência a abrasão, ou seja, esse índice classifica os usos adequados de cada revestimento. A classificação PEI 3 – considerada média/alta pode ser utilizada no piso da cozinha, dessa forma pode-se utilizar neste ambiente peças entre PEI 3 a PEI 5.

As cores e texturas na cozinha podem ser as mais diversas, sempre as cores claras são as queridinhas por dar a sensação de limpeza e ajudarem a tornar o ambiente visualmente mais amplo e mais claro, mas não é um consenso o uso, aliás, a mescla de cores e texturas pode trazer um resultado bem atrativo – pastilhas de vidro, pastilhas de coco, madeira ou porcelanato imitando madeira, são inúmeras as combinações. Por certo é que esse ambiente despojado fica bem com um salpicado de cores quentes – a cor laranja e a cor vermelha, ainda que de forma pontual trazem o ânimo para o bom apetite.

Para findar, outro aspecto importante é sobre as tomadas. Vale ressaltar que muitos equipamentos demandam o funcionamento em 220 V, ou seja, são específicas. Deve-se prever os pontos onde haverá tomadas e lembrar dos padrões de tomada de 10 ampères e de 20 ampères.

Bom apetite!

 

 

 

 

 

 

Dimensão Arquitetura

Por Luis Paulo Guimarães

Agenda

+ eventos

1 comentário

Deixe o seu comentário
Digite as palavras abaixo: